Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

segunda, 18 de fevereiro de 2019 - 17h39min

Em discurso, Nelsinho destaca Lula e Dilma e ignora o governador

3 FEV 10 - 07h:39MARCO EUSÉBIO
O apoio recebido do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, em particular, da ministra-chefe da Casa Civil cotada a disputar a sucessão presidencial, Dilma Rousseff (PT), marcaram o discurso do prefeito Nelsinho Trad na abertura dos trabalhos deste ano da Câmara dos Vereadores de Campo Grande ontem. Entretanto, embora tenha elencado a participação do governo estadual em obras locais, não citou o nome do governador André Puccinelli (ambos do PMDB). Antes de iniciar sua fala, Nelsinho pediu um minuto de silêncio em homenagem a dona Assunção, mãe do ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos (PT), que faleceu no domingo (31/1). Ao apresentar à Casa de Leis o Relatório de Atividades de 2009, na primeira sessão do segundo ano desta oitava legislatura, o prefeito começou lembrando que o ano anterior começou “sob o impacto de uma crise mundial sem precedentes, gerada nos Estados Unidos”. E frisou que graças a investimentos do governo federal pôde manter acelerado o ritmo de obras e o desenvolvimento urbano. Nelsinho destacou a importância de os homens públicos ouvirem a população. “Ninguém administra mais sem ouvir, se isolando da sociedade”, alertou. “Isso é coisa do passado”, afirmou. Disse, em seguida, que, para atravessar a crise, contou com a ajuda dos governos e bancadas federal e estadual, apoio do Legislativo e Judiciário e da sociedade “que se mostra a cada dia mais crítica, consciente e participativa”. Citou sua equipe e a compreensão dos vereadores, que atenderam o pedido de só indicar prioridades. Para ilustrar, o prefeito afirmou que em 2009 a receita foi 7,20% menor do que era prevista. O motivo foi a redução nos repasses referentes ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Somadas, as perdas representaram R$ 75 milhões a menos nos cofres municipais. “Para se ter ideia do impacto, em 2008 crescemos mais de 25% em relação a 2007. Em 2009, o crescimento foi de apenas 9,87%, comparando ao ano anterior”, explicou. “Muita gente pergunta porque simpatizo com o governo federal. Foi porque o Governo Lula alocou investimentos às prefeituras ajudando a enfrentar a crise”, afirmou. Acrescentou que sua estratégia foi priorizar a construção civil, que gera milhares de empregos, avançando e consolidando obras com recursos federais, estaduais e contrapartida municipal. E o prefeito já conta com mais ajuda de Lula para 2010. Relembrou o telefonema de Dilma no início do ano avisando que o Ministério das Cidades aprovou investimentos de R$ 55 milhões para melhorar a mobilidade urbana da cidade. A verba seria do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas e será investida na revitalização central e sinalização. Seu discurso pró-Lula já ecoa na Câmara. “Se o prefeito apoia o Governo Lula, apoiamos o prefeito”, disse, há poucos dias, o presidente da Casa, Paulo Siufi (PMDB), que ontem, ao discursar, reforçou: “Não lhe faltará apoio”. Questionado se considera que, caso o PMDB confirme apoio a Dilma, ele seria o principal interlocutor com a ministra no Estado, Nelsinho evitou polemizar e respondeu à reportagem: “Você que está falando”.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governo exonera ministro Gustavo Bebianno

Governo exonera ministro Gustavo Bebianno

Acidente em cruzamento tem capotamento e deixa dois feridos
TENTOU DESVIAR

Acidente em cruzamento tem capotamento e deixa dois feridos

Reparos na ponte da Panambi Vera começam esta semana
INTERDIÇÃO CHUVAS

Reparos na ponte da Panambi Vera começam esta semana

PREFEITURA

Atos Oficiais do município de Campo Grande 18/02/2019

Mais Lidas