Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PREVENÇÃO

Em Campo Grande, 24 casas noturnas não têm alvará

27 JAN 14 - 00h:00DA REDAÇÃO

Um ano depois da tragédia que matou 242 pessoas no incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), entre elas dois sul-mato-grossenses, 24 estabelecimentos de Campo Grande estão sem alvará de funcionamento e, mesmo com o perigo iminente, não tiveram os nomes divulgados pelo Corpo de Bombeiros, conforme reportagem na edição de hoje (27) do jornal Correio do Estado. O número envolve bares, boates, casas de show, clubes, estádios, salões de festa e teatros, que foram notificados a se regularizar em um prazo de até 60 dias. Caso a irregularidade persista, o local pode receber multa de R$ 920 a R$ 9,2 mil, dependendo da construção.

A fatalidade, que poderia ter sido evitada caso a boate estivesse em dia com suas obrigações, gerou uma discussão nacional sobre as condições em que os estabelecimentos recebem a sociedade. No mês em que aconteceu a tragédia, somente na Capital, oito locais funcionavam irregularmente. Um ano depois, mesmo com a lei mais rígida, empresários se negam a trabalhar corretamente. 

Aliada à fiscalização dos bombeiros, a lei 4.335, assinada em 10 de abril pela governadora em exercício Simone Tebet, criou o Código de Segurança contra Incêndio, Pânico e outros Riscos, em Mato Grosso do Sul. “Constatamos que houve um aumento de pelo menos 40% na procura por vistorias em casas noturnas durante o período”, disse o tenente-coronel Joilson De Paula. O valor da multa é outro ponto importante na fiscalização. “Além de tudo, o local pode ser interditado, o que preocupa o proprietário”, completa.

Dos 71 estabelecimentos cadastrados pelos bombeiros, 31 funcionam com alvará regular e 16 estão com o documento vencendo neste mês. “O prazo máximo da licença é de um ano e até fevereiro estaremos regularizando as casas noturnas”, explica o tenente-coronel. A reportagem é de Beatriz Longhini.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Fortaleza: Bombeiros buscam sobreviventes em prédio que ruiu; uma pessoa morreu

ECONOMIA

Pan, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

ECONOMIA

Superintendência do Cade decide arquivar inquérito contra bandeiras de cartões

BRASIL

Quadrilha desviava cartões de crédito remetidos pelos Correios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião