Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

28 HORAS

Em ataque de fúria, jovem mata três a facadas em Nova York

14 FEV 2011Por FOLHA ONLINE04h:13

Um artista de grafite armado com cinco facas teve um ataque de fúria neste sábado e matou a facadas seu padrasto, sua ex-namorada e a mãe dela em Nova York. Na fuga, ele atropelou um pedestre, que não resistiu aos ferimentos e morreu.

A polícia identificou o suspeito como Maksim Gelman, preso no próprio sábado na estação de metrô da Times Square, pouco depois de atropelar a quarta vítima.

O ataque de fúria durou 28 horas e aconteceu em um bairro do Brooklyn, onde vivem inúmeros imigrantes da antiga União Soviética.

Aproximadamente às 5h de sexta-feira, Gelman matou a facadas seu padrasto, Aleksandr Kuznetsov, no apartamento em que viviam no bairro de Sheepshead Bay, no Brooklin. Gelman brigou com sua mãe quando ela o proibiu de usar seu Lexus. Kuznetsov interveio e foi atacado, disse a polícia.
Aproximadamente às 10h30, vários quarteirões de distância, Gelman entrou na casa de sua ex-namorada e usou uma faca de cozinha para matar a mãe dela, Anna Bulchenko, 56. Quando a ex-namorada Yelena Bulchenko, 20, chegou em casa, aproximadamente às 16h, encontrou o corpo da mãe em uma poça de sangue e chamou a polícia.

Gelman aparentemente ainda estava na casa. Ele perseguiu Bulchenko quando ela fugiu do local e a esfaqueou 11 vezes.

Ele entrou fugiu no Lexus para o bairro de Midwood, onde abandonou o veículo. Ele roubou um segundo carro, um Pontiac, ferindo o dono com três facadas no peito (ele ficou ferido gravemente, mas sua condição é estável).

Gelman fugiu com o Pontiac e atropelou o pedestre Stephen Tanenbaum, 62, que não resistiu aos ferimentos e morreu. Ele então abandonou o carro na entrada de uma casa em Midwood, perto de um local onde costuma trabalhar como grafiteiro.

A polícia perseguiu Gelman através da cidade. Durante a fuga, Gelman esfaqueou ainda um motorista de taxi e um passageiro do metrô. Os três sofreram ferimentos, mas não correm risco de morte.

O delegado Raymond Kelly, que trabalha no Departamento de Polícia de Nova York há décadas, disse estar chocado com o ataque. "É algo horrível e muito bizarro. Não sabemos por que ele fez tudo isso", falou à imprensa.

Gelman disse à polícia que "ela tinha que morrer" --embora não tenha especificado se falava de sua ex-namorada ou de sua sogra. "Fora isso, não sabemos especificamente por que ele fez isso", afirmou Kelly, que não descartou que o dia de fúria de Gelman pudesse deixar mais vítimas.

A polícia liberou fotos de Gelman e de suas armas, incluindo uma faca de cozinha ensanguentada que ele segurava quando foi detido, às 9h deste sábado.

Testemunhas relataram à imprensa cenas de terror no metrô. "As pessoas estavam correndo e gritando. "Voltem para o trem! Voltem para o trem!". Nós não sabíamos o que estava acontecendo", declarou um passageiro.

Leia Também