Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Em ano de eleição, bancada federal pode ficar sem coordenador

12 MAI 10 - 00h:08
Clodoaldo Silva, Brasília

As eleições deste ano podem deixar a bancada sul-mato-grossense no Congresso Nacional sem coordenador. Ontem seria realizado o primeiro encontro dos parlamentares federais do Estado para definir a liderança, mas nenhum dos que compareceram pleiteou o cargo, colocado à disposição pelo deputado federal Waldemir Moka (PMDB).

Na próxima semana será realizada outra reunião para definir quem comandará a bancada sul-mato-grossense. Em princípio, o único que admitiu aceitar a missão é o deputado federal Geraldo Resende (PMDB). “Não vou disputar. Se for convocado pela bancada e não houver disputa eu aceito a missão. Sou igual a Bombril, tenho mil e uma utilidades”, brincou, completando que a disputa pela reeleição não é empecilho para exercer a função de coordenador.
Moka quer deixar o cargo porque é também presidente da Comissão Mista do Orçamento, o que, segundo ele, demanda muito tempo. O parlamentar sugeriu o nome do senador Delcídio do Amaral (PT) para a função, porém não conseguiu conversar com ele ontem à noite para saber se aceitaria o cargo. “Nosso objetivo é fazer o rodízio entre deputados e senadores. Hoje, o coordenador é um deputado, o certo seria um senador na função”, comentou.

Dos oito deputados federais e três senadores que integram a bancada sul-mato-grossense, apareceram no local da reunião, em horários diferentes, os deputados Geraldo Resende, Nelson Trad (PMDB), Dagoberto Nogueira (PDT), Antonio Carlos Biffi (PT) e a senadora Marisa Serrano (PSDB).
A maioria deles não quer assumir a função porque pretende concentrar esforços na campanha eleitoral. “A prioridade número um para mim é a reeleição. Para mim, o Moka tem de ficar até o fim”, disse Biffi.
“Não tenho tempo de atuar desta forma, sou médico. Vou me preocupar com a candidatura de meu filho, o doutor Augusto Cruz, para deputado estadual”, contou o deputado Antonio Cruz (PP).

Também o deputado Vander Loubet (PT) descartou ser o coordenador em ano eleitoral. “Nunca pleiteei o cargo e não tenho interesse agora”.
Dagoberto Nogueira (PDT) também disse que não tem tempo para assumir a função. “Estou deixando a liderança da bancada do PDT porque quero me dedicar exclusivamente a minha campanha a senador”.
Três parlamentares que possivelmente não disputarão as eleições, o senador Valter Pereira (PMDB), Marisa Serrano e Nelson Trad, também não cogitam ocupar a coordenação de bancada.

O coordenador é o porta-voz de todas as decisões dos parlamentares e responsável por intermediar os pleitos junto à Comissão Mista do Orçamento, Mesa Diretora da Câmara e ministérios.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro

BRASIL

Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento

BRASIL

Evangélicos cobram transferência de embaixada em Israel

Caminhão derrama agrotóxico em rodovia e 'pinta' pista de vermelho
BRASIL

Caminhão derrama agrotóxico em rodovia e 'pinta' pista de vermelho

Mais Lidas