Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 13 de dezembro de 2018

Saúde

Em alta, semente de chia é rico em ômega 3 e ajuda a emagrecer

30 JUL 2012Por Band00h:00

A chia caiu no gosto das pessoas. O grão teve origem no México e está no Brasil há cerca de dois anos. Segundo a nutróloga Sylvana Braga, quem quer emagrecer deve utilizar a chia como um fator a mais na dieta. “A pessoa precisa comer duas colheres de sopa ao dia durante a refeição. Mas é necessário que também seja feita uma dieta junto com exercícios físicos”, explica.

Braga diz que, por ser uma fibra, a chia ajuda a regular as atividades intestinais. Além disso, ela possui uma grande quantidade de ômega 3 na comparação com outros grãos, como por exemplo, a aveia. O ácido graxo presente neste grão também age como anti-inflamatório, antioxidante e antidepressivo, auxiliando no trabamento de doenças como o diabetes.

"Seja para emagrecer ou melhorar o funcionamento do intestino, a semente é uma fibra rica em ômega 3, que é um ácido graxo essencial para o ser humano", complementa a nutróloga.

De acordo com ela não existem contraindicações, no entanto, toda fibra ingerida em excesso deixa o intestino solto, provocando diarreia.

Além de ser consumida em grão, a chia também pode ser encontrada em forma de farinha ou óleo, afirma Braga, que lembra que a semente pode ser acrescentada em refeições tais como saladas, iogurtes e bolos.

Consumidora relata "inflação" no preço da chia 
A aposentada Rose Sakae, 54, teve conhecimento da chia enquanto lia uma revista, no começo deste ano, e resolveu comprar por confiar nos benefícios da semente. “Eu já comia a linhaça, pois tinha problemas no intestino. Com a chia, meu intestino está 100%” conta.

No entanto, ela observa que, com a popularização da semente, consumir chia ficou mais caro. “Antes eu pagava R$ 40 no quilo da chia, mas agora ela está mais ou menos R$ 60. Com isso, diminuí a quantidade desse alimento. Eu costumava comer uma colher de sopa por dia, agora é uma colher de sobremesa”, revela a aposentada. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também