Eleições no Paraguai não serão antecipadas, diz Justiça Eleitoral

Eleições no Paraguai não serão antecipadas, diz Justiça Eleitoral
03/07/2012 13:45 - DA REDAÇÃO


As eleições no Paraguai não serão convocadas antes da data programada, em abril de 2013, informou o ministro do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do Paraguai, Manuel Morales, durante visita do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, ao país. “Dissemos a ele [Insulza] que no próximo mês de abril teremos eleições gerais e ele nos disse que vão nos ajudar com todo o possível”, disse. Morales garantiu que o tribunal vai se esforçar para organizar as eleições de maneira que o povo escolha seu candidato. 

O secretário-geral da OEA disse ontem (2) que a situação no Paraguai não é grave, mas delicada devido a decisão do Parlamento de aprovar o impeachment do ex-presidente Fernando Lugo. Segundo Insulza, algumas das consequências geradas com a saída do presidente Lugo “estão mais claras agora”. Contudo, ele não pontuou quais seriam essas consequências. Insulza se reuniu ontem com o novo presidente paraguaio, Federico Franco, e também com o ex-presidente Lugo, entre outras autoridades paraguaias.

A visita do secretário-geral foi motivada pelo processo de impeachment do ex-presidente Lugo, considerado por países sul-americanos como muito rápido por ter levado dois dias. Além disso, os países consideraram que houve pouco tempo para o ex-presidente fazer sua defesa. Na segunda semana de julho, o secretário-geral deverá apresentar um parecer sobre a visita e a situação política do Paraguai ao Conselho Permanente da OEA. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".