Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Egito promulga lei eleitoral que proíbe contestação de resultados

Egito promulga lei eleitoral que proíbe contestação de resultados
08/03/2014 17:45 - FOLHAPRESS


O presidente interino do Egito, Adly Mansur, promulgou hoje uma lei eleitoral para a eleição presidencial prevista para a primavera, que exclui qualquer possibilidade de contestar na justiça as decisões da alta comissão eleitoral, incluindo os resultados da votação.

O conselheiro jurídico de Mansur, Ali Awad, anunciou durante uma coletiva no Cairo as disposições desta lei, que vai contra vários pedidos de ativistas que cobravam a possibilidade de recorrer das decisões da comissão eleitoral e dos resultados, se necessário.

A presidente optou por proibir os recursos, uma vez que "o período de transição precisa de estabilidade para o presidente assumir o cargo depois de sua eleição", segundo Awad.

Após a promulgação desta Lei, a comissão eleitoral poderá fixar a data da eleição presidencial, a primeira desde que o exército depôs em julho de 2013 o presidente islamita Mohamed Mursi.

O atual ministro da Defesa e homem forte do país, o marechal Abdel Fatah al-Sisi, é o favorito nesta eleição, mas primeiro deve deixar o governo e o exército, para apresentar sua candidatura oficial.

Os candidatos devem contar com o apoio de 25.000 eleitores em 15 províncias e ser egípcio de pais egípcios. 

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...