MUNDO

Egito ordena dissolução de partido de presidente deposto

Egito ordena dissolução de partido de presidente deposto
17/04/2011 07:08 - FOLHA ONLINE


A Justiça do Egito determinou que o antigo partido do ex-presidente Hosni Mubarak, o Partido Democrático Nacional, seja dissolvido e tenha todos os seus bens apreendidos pelo governo.

A ordem da Corte Suprema Administrativa atende a uma das exigências das manifestações que culminaram com a queda de Mubarak em fevereiro. Não foram divulgados os detalhes da decisão.

O PDN dominava a política egípcia desde a sua criação, em 1978, por Anwar Sadat, antecessor de Mubarak.

O líder derrubado nas recentes ondas de protestos ficou mais de 30 anos no poder e agora está detido em um hospital em estado de saúde debilitado.

Ele será interrogado pelos investigadores egípcios por acusações de corrupção.

Seus dois filhos, ministros de seu governo e várias autoridades de seu período no poder também terão de enfrentar alegações de crimes públicos.

O ex-presidente e sua família estão proibidos de deixar o país.

Em uma mensagem gravada no domingo, Mubarak quebrou o silêncio de quase dois meses dizendo que sua reputação e a de seus filhos havia sido prejudicada e que ele lutaria para limpar o nome da família.

Desde que deixou o poder, o ex-presidente passou a viver em Sharm El-Sheikh e vem adotando uma postura discreta desde então, evitando declarações em público sobre a situação atual do país.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".