Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

COMPRAS DE NATAL

Economista dá dicas para evitar endividamento

5 NOV 2010Por g110h:08

A dois meses do Natal, algumas lojas e shoppings já estão com decoração pronta, de olho no aumento das vendas impulsionado pela chegada primeira parcela do 13º salário, que deve ser paga até o fim deste mês.

"Nós temos que usar. Dinheiro foi feito para usar, né? Então vamos usar o dinheiro. Pra que que eu vou guardar, não é verdade? Não sei o dia de amanhã", disse o comerciante João Santos.

Para o economista Gilberto Braga, do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), diz que é melhor controlar o impulso antes de usar o dinheiro e transformar as compras de Natal numa grande dor de cabeça.

"Essas compras impulsivas é que são perigosas. É preciso planejar, para não se descontrolar e não gastar demais", aconselhou.

Após passar um bom tempo desempregada, a balconista Vanessa Frade acabou de conseguir uma vaga temporária para o período de fim de ano. Mesmo assim, já está pensando no presente de Natal que vai dar ao namorado. "Não pode passar de R$ 80, não. Uma bermudinha e uma blusinha, camisetinha básica", arriscou.

Bom senso e responsabilidade
O especialista, no entanto, alerta que é necessário bom senso. "Tem que tomar um pouco de cuidado. Ela vai trabalhar até o final do ano, dois meses (novembro e dezembro). Então vai ganhar um 13º proporcional. E já está comprometendo o 13º com os presentes de Natal", avaliou.

Já o casal Valéria e Reginaldo estava apertado no Natal passado, enrolados com cheque especial e cartão de crédito. Agora, com as finanças já organizadas, eles reuniram a família e tomaram uma decisão: todo mundo vai ganhar presente, mas com responsabilidade.

"Nós temos desafios para 2011. Logo no início do ano tem colégio, renovação de matrícula, IPVA. Então tudo isso é preocupante. A gente precisa se planejar e está buscando isso. É difícil, mas a gente está buscando isso", disse Reginaldo, acrescentando que eles pretendem guardar o 13º.

Para o economista, a atitude deve ser essa, para um uso consciente do dinheiro. "O segredo é esse: é fazer conta, planejar, gastar com consciência", ensinou Braga.

Leia Também