Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BAIRRO CAIÇARA

Dupla confessa que ia vender veículo para pagar dívida

Dupla confessa que ia vender veículo para pagar dívida
31/12/2013 13:00 - DANIELLA ARRUDA E TARYNE ZOTTINO


Presos na madrugada de hoje (31), depois de serem perseguidos pela Polícia Militar, João Geraldo Leão Martins, 23 anos, e Renan Luis Aparecido Barbosa, 19, confessaram o roubo da caminhonete na noite de ontem (30), por volta das 20h30min, no Bairro Caiçara, em Campo Grande. Eles também apontaram outros dois envolvidos do crime: Thiago de Souza Silva, 19, e um outro rapaz, que seria menor de idade. João Geraldo, “cabeça” da quadrilha, afirmou que o roubo foi encomendado por um detento de dentro de um presídio na Capital. Também disse que a pretensão do bando era vender o veículo e dividir o dinheiro. Com a sua parte, ele afirma que quitaria uma dívida de R$ 1 mil com uma facção criminosa.

A dupla capturada nesta terça-feira já tem passagens pela polícia. Segundo a PM, o proprietário da caminhonete Nissan Frontier, de 61 anos, foi abordado pelos criminosos na frente de casa. Renan é quem estaria armado. Depois da denúncia, os policiais fizeram diligências na região e acabaram encontrando a caminhonete. A equipe passou a perseguir os bandidos, que bateram a Frontier em um carro estacionado e abandonaram o veículo, fugindo a pé.

João Geraldo foi pego no momento em que subia em uma árvore e tentava se esconder em uma residência. Renan conseguiu fugir, mas foi preso mais tarde, em sua casa. O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Bairro Piratininga e a polícia procura os outros envolvidos.  

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!