SEMANA DA CONCILIAÇÃO

Doze empresas querem negociar R$ 900 mil com devedores

Doze empresas querem negociar R$ 900 mil com devedores
23/06/2012 11:50 - DA REDAÇÃO


A Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), via Câmara de Mediação e Arbitragem de Campo Grande (CBMAE) e do Posto Avançado de Conciliação Extraprocessual (PACE/TJ), inicia na segunda-feira (25), a II Semana de Conciliação de Campo Grande. Até o dia 29 de junho acontecerão audiências para a solução de conflitos de pessoas físicas e jurídicas. As sessões serão realizadas das 12h às 20h.

Nesta edição doze empresas estão prontas para negociar com clientes inadimplentes durante o evento. São elas: Colégio Alceu Viana, Escola Paulo Freire, Colégio Latino Americano, Colégio Geração 2001, Oi (telefonia), Betel Center, Colégio Liceu, Universidade Católica Dom Bosco – UCDB, ABS Bombas Injetoras, Cocresul, Algo Mais Confecções e Bumerang. Juntas somam um valor superior a R$ 900 mil a ser negociado.

O presidente da Câmara de Mediação e Arbitragem e 1º secretário da ACICG, Roberto Oshiro, explica que a Semana também pode promover qualquer tipo de conciliação, não sendo exclusividade para conflitos de ordem financeira. “O objetivo do evento é estabelecer a pacificação social e contribuir para reduzir o número de processos. As partes acabam mantendo o relacionamento, o que na maioria das vezes não acontece num processo judicial.

Serviço

II Semana da Conciliação de Campo Grande - ACICG - Rua 15 de Novembro, n° 390, Centro - Mais informações 3312-5062. Agendamento de audiências: 08h às 18h. De segunda à sexta-feira  

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".