SAÚDE

Dourados tem segundo caso de morte com suspeita de gripe A

Dourados tem segundo caso de morte com suspeita de gripe A
29/06/2012 17:20 - dourados agora


Ivonita Schiani Moreno, de 49 anos, morreu ontem, em Dourados, supostamente vítima do vírus H1N1 da gripe A. Conforme o filho dela, o médico disse que ela tinha todos os sintomas da doença, mas só depois do laudo oficial, que demora dias, será possível dizer se a causa da morte foi a Gripe A.

Segundo a assessoria da prefeitura de Dourados, a Saúde foi comunicada do caso, na tarde de ontem e aguarda o resultado do laudo que será emitido por um laboratório de São Paulo, único credenciado para isto.

De acordo com o filho de Ivonita, há dez dias a mãe começou a sentir dor na cabeça, febre e falta de ar. Procurou um posto de saúde, foi medicada e liberada.

Os sintomas continuaram então ela procurou o Pronto Atendimento Médico (PAM) onde foi informada pelo médico que poderia estar com pneumonia grave. Novamente foi medicada e liberada. Anteontem, o quadro piorou, com agravamento da falta de ar. Ela foi internada, no mesmo dia, no Hospital da Vida.

A paciente necessitava de uma vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), já que respirava com a ajuda de aparelhos. O hospital vinha tentando uma vaga no Hospital Universitário, mas só foi liberada no final da tarde de ontem. Assim que foi internada teve a primeira parada cardíaca. Ela ficou em coma induzido e morreu após o segundo ataque.

Este é o segundo caso de morte por suspeita de gripe A este ano em Dourados. Um homem que saiu do Paraguai permaneceu por 15 dias internado no Hospital de Ponta Porã e, devido a uma insuficiência respiratória, foi transferido para Dourados, onde morreu antes de receber os primeiros atendimentos. Duas crianças que são filhos da vítima e a esposa dele estão internados no Hospital Universitário (HU), onde recebem tratamento médico.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".