Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

Dourados tem Campanha de Conscientização da Hanseníase hoje

10 OUT 2010Por Dourados Agora15h:53

As igrejas cristãs de Dourados participam neste domingo (10) da campanha nacional de conscientização da Hanseníase. De acordo com a coordenação do Programa Estadual de Controle da Tuberculose e Hanseníase SES/CEVE, a iniciativa é do Ministério da Saúde. A orientação é que as instituições religiosas utilizem uma passagem bíblica que cita a cura de leprosos como referência à doença de Hanseníase.

Conforme Danielle Tebet, membro da equipe técnica do Programa Estadual de Controle da Tuberculose e Hanseníase SES/CEVE a intenção é que os fiéis sejam alertados quanto aos sintomas e a importância do tratamento. “Pedimos que as igrejas trabalhem o tema entre os profissionais de saúde e os membros, para que fiquem atentos aos sintomas”, explicou.

No Brasil, mesmo com a redução do número de casos, a hanseníase ainda é considerada uma doença de saúde pública, o que exige uma vigilância permanente. Em 2009 foram descobertos mais de 37 mil casos.

Em Dourados, a Secretaria de Saúde, por meio do SUS(Sistema Único de Saúde), conta com um programa de acompanhamento e tratamento dos portadores da doença.

Sintomas A hanseníase provoca o aparecimento de manchas brancas, avermelhadas ou escuras na pele, áreas da pele seca, com falta de suor, queda de pêlos, perda ou ausência de sensibilidade ao calor, dor e tato. Sensação de formigamento, choque, fisgada e agulhada ao longo dos nervos dos braços e das pernas, inchaço de mãos e pés ou diminuição da força dos músculos das mãos, pés e face devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos.

Os locais do corpo com maior possibilidade de surgimento das manchas são as mãos, pés, face, costas, nádegas e pernas. Em alguns casos, a hanseníase pode ocorrer sem manchas. A transmissão ocorre pelo contato direto e prolongado com a pessoa doente em ambiente fechado, com pouca ventilação e ausência de luz solar e pelas vias respiratórias (secreções nasais, tosses e espirros), podendo assim transmiti-la para outras pessoas.

O tempo de tratamento em estágio inicial da doença é de seis meses. Em casos mais avançados, pode durar mais de um ano. “É importante destacar que quando o paciente inicia o tratamento, ele deixa de transmitir a doença”, esclarece a coordenadora.

Cerca de 47.000 casos novos são detectados a cada ano, sendo 8% deles em menores de 15 anos. A doença atinge altos índices nas regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste. Esses lugares concentram 53,5% dos casos detectados em apenas 17,5% da população brasileira. Dourados registra em média 30 casos no ano.

A coordenadora nacional da Pastoral da Criança, Vera Lúcia Altoé, esclarece que o objetivo é oferecer informações para as famílias lutarem contra o preconceito e o isolamento que atingem as pessoas com Hanseníase.

Leia Também