Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h11min

Donos reclamam que cães ficaram doentes após vacina

25 AGO 10 - 05h:44
bruno grubertt

Donos de cães e gatos vacinados contra raiva, desde o início do ano e também na campanha realizada neste mês, têm reclamado que os bichos tiveram reações à substância e, em alguns casos, relacionaram a morte dos animais ao uso da vacina. Segundo o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) informou, as reações são normais e os proprietários devem continuar vacinando seus animais. Na semana passada, a imunização foi suspensa nos municípios de São Paulo porque pelo menos nove animais morreram depois do contato com a substância. Em Campo Grande, nenhuma morte foi informada ao CCZ.
Nayara Batagello, de 19 anos, tem cinco gatos que foram vacinados na sexta-feira (20) por agentes de saúde. “À tarde eles já ficaram com febre, ninguém podia encostar neles, que eles gritavam de dor; ficaram em estado alarmante”, reclamou. Segundo ela, ontem, mesmo depois de tomar remédios e serem atendidos por um veterinário, os gatos “ainda não estavam 100%”.
Moradora do Bairro São Francisco, Semira Alves Ferreira, de 68 anos, também recebeu os agentes em casa há cerca de 15 dias, quando seu cachorro foi vacinado. Quatro dias depois, o animal morreu. “Eu moro nos fundos, o cachorro não sai de casa. Não estou dizendo que foi a vacina, mas pode ter sido”, disse Semira. Segundo ela, não havia restos de carne ou outro material que pudesse ter sido envenenado. Animais de vizinhos e do filho dela, que também foram vacinados, morreram ou tiveram reações fortes depois da imunização.

Reações normais
A diretora do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Júlia Macksoud, disse que as reações são normais e já foram registradas desde o mês de maio, quando a vacina começou a ser usada na Capital. Porém, mortes de animais ainda não foram informadas ao centro. “A outra vacina que era usada não dava reação. Mas essa, que começou a ser usada no início de maio, é de melhor qualidade e tem algumas reações leves, como febre e dor local”, disse. Segundo ela, a mesma substância é vendida em clínicas particulares e em outros países. “O Ministério da Saúde já orientou que podemos continuar com a vacinação”, reiterou.
Segundo a diretora, apesar das reações que duram em média 24 horas, a vacina é segura para os animais. “Ainda há casos de raiva no Estado e o risco é grande, por isso, a vacinação deve continuar”, defendeu Júlia.
Para que os casos sejam investigados, o CCZ deve ser comunicado quando há alguma reação forte ou morte de animais logo após a imunização.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas