Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Após 8 meses

Doméstica
ainda não
recebe FGTS

15 MAR 14 - 09h:45r7

Aprovada no Senado em julho do ano passado, a PEC das Domésticas causou alvoroço entre empregados e empregadores. Mas, passados oito meses, muito da legislação permanece do mesmo jeito. Itens mais polêmicos e que trazem mais custos aos empregadores, como o recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), ainda não foram regulamentados.  

O projeto, relatado pela deputada Benedita da Silva (PT-RJ), está na Câmara dos Deputados e, apesar da promessa de prioridade para o início dos trabalhos legislativos, o tema ainda não entrou na pauta do plenário, que está trancada por projetos que pedem urgência, como o Marco Civil da Internet.

O que domina as discussões na Casa nas últimas semanas é a rebeldia da base aliada, liderada pelo PMDB. Além disso, com o ano legislativo mais curto, por causa da Copa do Mundo e das eleições de outubro, poucos projetos importantes devem ser votados. 

Para o presidente da ONG Doméstica Legal, Mario Avelino, a demora causa prejuízo aos dois lados.

— Neste momento, há pessoas esperando a regulamentação para contratar empregados. Mas quem tem um filho pequeno, por exemplo, que precisa de empregada, não tem como esperar. Essa demora é prejudicial ao trabalhador e ao empregador.

Na opinião do especialista em trabalho doméstico, é exatamente a proximidade das eleições que deve apressar a regulamentação da PEC das Domésticas.

— É necessário que haja a regulamentação desse direito até as eleições. Os políticos vão usar o gancho para se promoverem. Os próprios deputados e senadores vão fazer campanha falando que votaram a favor dos empregados domésticos.

Direitos

A lei aprovada em julho do ano passado já garante direitos comuns aos demais trabalhadores, como jornada de trabalho, 13º salário, hora extra, licença-maternidade e férias. A advogada Tayná Parreira precisa de doméstica o dia todo por causa da avó doente. Segundo ela, os benefícios já eram concedidos à empregada doméstica da família antes da lei, incluindo o horário de descanso, que ainda não foi regulamentado. 

— Aqui em casa nada mudou, já pagamos o INSS, descanso. O que realmente traria diferença no que a gente já faz é o pagamento do FGTS. Enquanto ainda não é regulamentado, a gente não paga, mas assim que regulamentar, a gente vai passar a pagar. 

O ponto mais polêmico ainda é o FGTS, já que, atualmente, a categoria não tem direito ao fundo, que é facultativo. No caso da Previdência Social, a conta é dividida entre patrão (12%) e empregado (8% a 11%). A regulamentação estabelece que o FGTS e o INSS serão pagos de forma conjunta: 8% de FGTS, 8% de INSS, 0,8% de seguro contra acidente e 3,2% relativo à rescisão contratual.

Vinte por cento

No total, o empregador terá que recolher 20% do salário em encargos. Como a regulamentação da PEC das Domésticas ainda tem que ser votada pelos deputados, pode haver mudanças no texto aprovado pelos senadores no ano passado.

O presidente da Doméstica Legal sugere 15 mudanças para o texto, que, segundo ele, resolveriam problemas de inconstitucionalidade e beneficiariam, igualmente, patrões e empregados.

— Esse projeto chegou a 80% do ponto ideal, porque ainda tem falhas. Tem artigos inconstitucionais, como o que proíbe a contribuição sindical e patronal, [benefícios] garantidos pela Constituição. O projeto é muito bom, mas empregador doméstico não é empresa, não visa lucro, não tem direito a empréstimos e está sendo muito onerado. 

Entre as mudanças propostas estão a redução do INSS do Empregador Doméstico de 12% para 4%, eliminação da alíquota de 0,8% do seguro acidente de trabalho, multas para o empregador doméstico informal e dedução no Imposto das despesas de Plano de Saúde e/ou Odontológico, entre outros. 

Segundo cálculos da ONG, as mudanças evitariam a demissão de 260.000 empregados domésticos e estimulariam a formalidade de pelo menos 1,3 milhão empregados domésticos informais. Estima-se que, atualmente, 70% dos empregados domésticos estejam na informalidade.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Estado criou 917 vagas em setembro, aponta Caged
EMPREGOS

Estado criou 917 vagas em setembro, aponta Caged

BR-262 deve receber reformas com investimento de R$ 22 milhões
EMENDAS

BR-262 deve receber reformas com investimento de R$ 22 milhões

Sucesso no Youtube, Nathalia Arcuri comanda "reality show" financeiro na tevê
TELEVISÃO

Sucesso no Youtube, Nathalia Arcuri comanda "reality show" financeiro na tevê

Filho de homem que roubou dinheiro de campanha morre em BH
JOÃO MIGUEL

Filho de homem que roubou dinheiro de campanha morre em BH

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião