Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MERCADO

Dólar fecha em queda após atingir maior valor desde agosto

3 JAN 14 - 23h:00FOLHA PRESS

Após ter atingido ontem seu maior valor desde agosto, o dólar passou por um ajuste hoje e fechou em queda em relação ao real. A avaliação de especialistas, no entanto, é de que a moeda seguirá pressionada no médio prazo.

"Foi um movimento natural. Ontem, o dólar subiu bastante, por isso, hoje, houve ajuste", diz Paulo Petrassi, sócio operador da Leme Investimentos. "Seguimos com elevado deficit nas contas externas e, no exterior, os EUA começaram a retirar os estímulos, mesmo que gradualmente. Isso mantém a perspectiva de pressão sobre a moeda", acrescenta.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, fechou hoje em queda de 0,52% em relação ao real, cotado em R$ 2,381 na venda. Na semana, porém, houve alta de 1,58%. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, cedeu 0,71% no dia, a R$ 2,374, e subiu 1,50% na semana.

O mercado avaliou a notícia de que o governo federal superou a meta de economizar R$ 73 bilhões em 2013. Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o superavit primário - economia do governo para pagar juros da dívida- fechou o ano passado em cerca de R$ 75 bilhões, reforçado por mais um bom resultado em dezembro.

"O efeito foi neutro, pois o Mantega já vinha afirmando que o governo cumpriria a meta para o superavit primário do país", diz Celso Siqueira, gerente de câmbio da Advanced Corretora. "O ministro não disse, porém, nada sobre a meta para 2014, o que poderia acalmar um pouco o mercado e reduzir a pressão sobre o câmbio", completa.

Ajudou na queda do dólar o programa de intervenções do Banco Central no câmbio. A autoridade promoveu um leilão de swap cambial tradicional, que equivale à venda de dólares no mercado futuro, vendendo 4 mil contratos com vencimento em 2 de maio de 2014 por US$ 199 milhões.

A operação já faz parte da nova fase do programa de intervenções do BC, em que a oferta de dólares no mercado foi reduzida. Desde agosto do ano passado, o BC oferecia até US$ 3 bilhões por semana através de suas atuações no câmbio, mas a cifra caiu a US$ 1 bilhão por semana a partir de janeiro deste ano.

O movimento seguiu na esteira da redução no estímulo mensal dado pelo Fed (banco central americano) à economia dos Estados Unidos, que também teve início neste mês.

A interpretação de analistas foi a de que a redução dos estímulos americanos será progressiva e que os juros daquele país não deverão subir até 2015, o que diminui o risco de uma disparada do dólar no Brasil em razão de uma eventual fuga de capitais para os EUA, na esteira da recuperação da economia americana, justificando a medida do BC brasileiro.  

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

OPINIÃO

Calos Lopes dos Santos: "Primeiro a educação, depois as leis"

Advogado

Felpuda

BRASIL

Após novo caso, Brasil perderá status de país livre do sarampo

BRASIL

Delegado da Baixada Fluminense atuará na 2ª fase do caso Marielle

Mais Lidas