sexta, 20 de julho de 2018

Disputa pela prefeitura racha o PMDB

5 DEZ 2010Por Fábio Dorta, Dourados00h:00

As articulações do PMDB de Dourados para lançar candidatura própria nas eleições extemporâneas para prefeito e vice-prefeito, que deverão acontecer entre fevereiro e março de 2011 causaram a primeira crise interna, envolvendo o vereador Laudir Munaretto, presidente do diretório municipal e o deputado federal Geraldo Resende.

Na reunião do diretório ocorrida na noite de sexta-feira, que não contou com a participação de outra liderança expressiva o deputado federal Marçal Filho, que estava viajando, Geraldo apresentou a proposta da realização a partir do próximo dia 15, de uma pesquisa qualitativa e quantitativa, para que a população avalie os pré-candidatos do partido.

A realização da pesquisa foi aprovada pelo diretório, mas rachou o partido. O grupo da prefeita interina Délia Razuk não concorda com o método e defende que o nome escolhido venha de um consenso interno para não rachar o partido. A prefeita pediu para que seu nome não seja colocado na pesquisa e o clima na reunião ficou tenso.

Laudir Munaretto, que defende abertamente o nome da prefeita para disputar a eleição, afirmou que acredita que Délia reconsidere sua decisão. "Penso que ela disse isso em um momento de nervosismo. Acredito que o PMDB precisa ter grandeza para resolver esta questão da candidatura para que saiamos fortalecido e não enfraquecidos", afirmou.

Embora não citem publicamente o nome de Geraldo, Munaretto e outras lideranças importantes do PMDB têm criticado o deputado pela forma que tenta conduzir as discussões internas em torno da sucessão de Ari Artuzi (sem partido) que renunciou ao cargo na semana passada. "Não podemos colocar interesses pessoais acima dos interesses do partido", finalizou o vereador.

Pesquisa
Geraldo Resende disse ao Correio do Estado que considera a pesquisa a forma mais justa do partido definir o candidato e disse que se for o escolhido vai disputar a eleição. Ele afirmou que a data para a realização da consulta à população ficou definida para 15 de dezembro para que todos que pretendam colocar seus nomes se apresentem.

Ele citou como exemplo o deputado federal Marçal Filho. "Embora o Marçal já tenha dado declarações que não pretende ser candidato, ele também terá a oportunidade colocar seu nome, se esta for sua vontade. Haverá oportunidade para todos os pretensos candidatos se inscreverem", afirmou.

Sobre a posição de Munaretto em defender um consenso em torno do nome de Délia Razuk, Geraldo não faz nenhuma crítica direta ao companheiro de partido, mas deixou entender que ele tem interesse próprio na questão tendo em vista que é suplente de Délia na Câmara Municipal e, caso ela seja eleita prefeita, herdaria definitivamente a vaga.

Leia Também