Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

TRIBUNAL DE CONTAS

Disputa de senadora e deputado pela vaga do TCE começa segunda-feira

1 JUN 2011Por ROSANA SIQUEIRA/GABRIEL MAYMONE11h:16

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual (PMDB) Jerson Domingos informou hoje, após reunião solicitada pelo deputado estadual Antônio Carlos Arroyo para debater a vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE/MS),que irá reunir-se amanhã com o governador André Puccinelli para comunicar que abrirá a inscrição para os pretensos candidatos ao cargo. Segundo ele o deputado Arroyo já tem assinaturas suficientes para registro da candidatura.

“Amanhã estarei conversando com o governador oficialmente sobre a pretensão do deputado. Lembrando que vamos abrir inscrições oficialmente para outros candidatos e se houver outros interessados já fixaremos data para votação", frisou. Ele destacou ainda que a data não foi definida, mas que isso deve ocorrer antes do recesso da AL que acontece a partir de 15 de julho.

Sobre a saída da deputada estadual Mara Caseiro, que deixou a reunião irritada, Jerson afirmou que quando disse que iria falar com governador da abertura do processo, ela não concordou.

O deputado Paulo Duarte (PT) que também estava na reunião disse que ficou decidido que o presidente da casa, irá marcar data para encaminhamento do processo de indicação do futuro conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MS).

Segundo o deputado “a votação será colocada em pauta e deve acontecer nos próximos 15 dias, dessa data não passa'”, finaliza.

O deputado Antonio Carlos Arroyo (PR) voltou a pedir apoio dos colegas para enfrentar Marisa Serrano, que também pleiteia a vaga, “Fui pedir apoio aos colegas que estavam faltando, conversei com o governador ontem e ele disse que não se opõe ao meu nome e que é a Assembleia que vai decidir. Marquei a reunião apenas para transmitir a mensagem aos companheiros deputados”, diz Arroyo, que já apresentou 16 assinaturas ao governador.

PROCESSO
O deputado Jerson Domingos lembrou que o candidato que se credenciar para a vaga deve ter no mínimo 8 assinaturas para registro. “O primeiro que oficializar o registro tem preferências e se obter a maioria dos votos é o candidato. Se não conseguir os votos suficientes estará fora do processo”, concluiu.
Ele destacou ainda que historicamente todas as vagas do Tribunal são discutidas com executivo para definir o próximo nome de conselheiro.

Leia Também