segunda, 16 de julho de 2018

bolos de carnaval

Discussão sobre passarela do samba continua

26 OUT 2010Por OSCAR ROCHA00h:10

A discussão quanto à mudança do desfile continua.  Oficialmente, não há nenhum estudo para alteração, mas tanto a Liga como a Fundac destacam a futura passarela do samba. Para Eduardo, o Complexo da Estação Ferroviária seria o local adequado pela localização central e por abrigar várias atrações culturais de Campo Grande, mas ele sabe que seria complicado devido ao tombamento da área. O presidente da Fundac aponta outro empecilho: “Até pensamos em testar na esplanada, mas percebemos que o barulho poderia incomodar a Santa Casa. O som do desfile da escola de samba é alto e pode incomodar os pacientes internados no hospital”, avalia Roberto.

Para Eduardo, a Via Morena traz uma série de vantagens quando comparada à Rua 14 de Julho, via que sediava o desfile – o percurso não apresenta ondulação no terreno;  favorece ao fechamento da área, possibilitando a negociação de  patrocínios;  maior espaço para instalação de arquibancadas, entre outros. Mesmo com essas vantagens, ele acha importante a instalação de uma área para passarela do samba definitivamente. Um outro ponto que pode entrar em estudo é a área que está sendo concluída em frente à Base Aérea. “Somente depois que as obras estiveram prontas é que poderá ser feito um estudo melhor”, diz Roberto. A Fundac, nos meses de janeiro e fevereiro, ajudará as escolas na realização de eventos que possam trazer mais recursos para os desfiles. A intenção é, juntamente com a Liga, estabelecer cronograma de atendimento as escolas. “Queremos auxiliá-las com equipamentos e estrutura para as promoções”. Ainda não foi definido quanto a administração pública repassará às escolas. “As escolas estão trabalhando para arrecadar recursos desde o fim do carnaval. Cada vez mais, elas estão se profissionalizando”, destaca Eduardo.

Um êxito do carnaval 2010 se repetirá no próximo ano, o desfile dos blocos na Avenida Calógeras em frente à Esplanada da Estação Ferroviária.  “Foi um grande sucesso a primeira edição. O público prestigiou; queremos novamente repetir o sucesso”, diz Roberto Figueiredo. Mais de 5 mil pessoas, no cálculo dos organizadores, estiveram no desfile dos blocos. Atualmente, 25 blocos estão filiados à Associação dos Blocos, Bandas, Cordões, Corsos Carnavalescos e Culturais de Campo Grande. “Este ano, 15 desfilaram. Um bloco tem que ter um mínimo de 50 participantes”, diz o presidente da Associação, Valfrido de Almeida, o  “Dudu”. (OR)

Leia Também