ESPORTES

Dirigente da Fórmula 1 diz que categoria não está em crise

Dirigente da Fórmula 1 diz que categoria não está em crise
17/03/2010 07:30 -


Cercada por grande expectativa, a temporada da Fórmula 1 começou com uma monótona vitória de Fernando Alonso no Grande Prêmio do Bahrein, situação que levou alguns chefes de equipe a cogitar mudanças no regulamento. Detentor dos direitos comerciais da categoria, Bernie Ecclestone pede calma. “Não há pânico, a Fórmula 1 não está em crise. Eu acho que não há nada que possamos fazer imediatamente e não devemos nos lançar em mudanças”, declarou o dirigente. Ecclestone admite estudar possíveis mudanças apenas na volta da categoria ao continente europeu. “Estamos envolvidos em quatro corridas com longas viagens. Então, vamos observar como as equipes se adaptam e ver isso depois da China”, argumentou o detentor dos direitos comerciais da categoria, que passa por Austrália, Malásia e China antes de desembarcar na Espanha. Para Ecclestone, a adaptação das equipes às mudanças no regulamento da Fórmula 1 pode explicar a falta de emoção no Bahrein. “A primeira corrida com as novas regras é sempre de aprendizado. Agora, eles sabem que podem melhorar e ser um pouco mais incisivos para que tenhamos mais ação”, teorizou. Uma das alternativas propostas para tentar aumentar a emoção nas corridas é obrigar os pilotos a fazer dois pit stops, ideia questionada por Ecclestone. “Eu tive um encontro com as equipes e tentei explicar que o nosso negócio é fazer corridas e entreter o público. Não é jogar contra computadores e ser mais rápido em uma volta”, encerrou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".