Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Deslizes

Diretoria do Fla diverge sobre situação de Adriano

7 SET 12 - 15h:26terra

Os recentes deslizes de Adriano geraram contradição no discurso dos dirigentes do Flamengo. Principalmente no que diz respeito à decisão sobre o que fazer em caso de uma nova indisciplina. O diretor de futebol Zinho acha que isso não é determinante para a rescisão de contrato, pensamento diferente do da presidente Patricia Amorim.

A mandatária não pensa em aliviar a barra do atacante. Pelo contrário. Presente ao encontro na sede da Federação do Rio de Janeiro sobre violência de torcidas, na quinta, Patricia Amorim enfatizou que o Flamengo não será tolerante com novos erros e valerá o que foi redigido no contrato de produtividade assinado pelo jogador. Como já tem duas advertências,

Adriano poderá ter o compromisso rescindido se for punido mais uma vez.
"O contrato é bem claro e de fácil entendimento. Em qualquer infração haverá punição. O Flamengo deu toda a chance, todo o espaço, sabia dos riscos, sabe dos riscos, mas a realidade é o que está escrito. E nós vamos fazer valer o que está escrito. O Flamengo tem de ser preservado como instituição séria que é e assim será", disse.

Escolhido por Patricia Amorim para tomar as decisões do futebol do Flamengo, Zinho mostrou decepção com a atitude de Adriano e reconheceu que os problemas causados afetam não só o jogador, mas o clube. Contudo, mostra mais paciência com as falhas. Ele explica que a rescisão não é automática, mas a decisão, se o erro se repetir, será da cúpula de futebol.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bolinho de Chuva Recheado com creme de avelã
SOBREMESA

Bolinho de Chuva Recheado com creme de avelã

COI dá passo para incluir breakdance, skate, escalada e surfe nos Jogos de 2024
OLIMPÍADAS

COI dá passo para incluir skate e surfe nos Jogos de 2024

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Sem abertura para chantagens"

ARTIGO

Odilon de Oliveira: "Congresso Nacional e fronteira"

Juiz federal aposentado

Mais Lidas