Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Dilma tem orgulho do PMDB por assumir que é governo

Dilma tem orgulho do PMDB por assumir que é governo
08/02/2010 07:01 -


A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou ontem que o PMDB é “absolutamente confiável” e acrescentou que “dá orgulho ver que tem partido que não finge que não é governo”. Durante encontro nacional da Juventude do PT, a ministra também afirmou que “incentiva” os partidos integrantes da base aliada a “tomarem para si” os programas do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A declaração foi feita em relação aos discursos de lideranças do PMDB, em convenção realizada no úlitmo sábado, nos quais o partido assumiu a “paternidade” de programas sociais hoje em funcionamento. “A gente incentiva todos os integrantes do governo para que tomem para si os programas do governo, porque, com isso, assumem para si uma aliança. O governo acha que ele não governa só com um partido, mas com uma aliança partidária”. Na convenção peemedebista, o presidente do Senado Federal, José Sarney (AP), discursou dizendo que a inclusão do social na agenda do País é mérito do partido. “Fomos nós que incluímos a parte social na discussão dos problemas nacionais. Foi o PMDB que iniciou todos os programas sociais que depois progrediram, por isso nos identificamos com o presidente Lula, porque ele voltou à mentalidade do PMDB do tudo pelo social. Nós temos uma identidade com a causa popular”. O PMDB reconduziu o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (SP), à presidência da legenda, o que poderá reforçar seu nome para vice de Dilma na campanha presidencial deste ano. “(A reeleição) reforça a tendência do PMDB de estar junto da ministra Dilma”, disse o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.