Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Dilma diz que volta de Bachelet fortalece união dos países sul-americanos

Dilma diz que volta de Bachelet fortalece união dos países sul-americanos
11/03/2014 23:00 - Agência Brasil


A presidente Dilma Rousseff ofereceu um brinde à recém-empossada presidente do Chile, Michelle Bachelet, durante almoço com chefes de Estado que participaram da transmissão de cargo no país. No discurso, Dilma espera que o retorno de Bachelet fortaleça a união dos países sul-americanos.

“Temos, presidente Michelle, plena certeza de que o Chile, sob sua Presidência, renovará seu compromisso com essa integração regional, como você o fez em seu mandato anterior”, disse, se referindo ao posto ocupado por Bachelet na presidência da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Antes de mencionar que o Chile é um “país irmão”, a presidente brasileira afirmou que a ocupação do cargo tem um “significado especial” para todos os latino-americanos que encontraram “refúgio e proteção” contra a opressão de ditaduras em seus países.

“Aqui, muitos defensores da liberdade, em nossos países, encontraram o asilo contra 'la opresión', de que fala o Hino Nacional chileno”, declarou Dilma. Para ela, que foi torturada durante a ditadura no Brasil, as “ricas e, por vezes, trágicas experiências políticas que nós vivemos, ajudaram a transformar a complexa realidade de nosso continente e de nossas nações”.

O discurso do brinde foi feito pela presidente antes do almoço oferecido por Bachelet aos seus colegas que foram ao Chile prestigiá-la: Cristina Kirchner (Argentina), Evo Morales (Bolívia), Juan Manuel Santos (Colômbia), Rafael Correa (Equador), Enrique Peña Nieto (México), Horacio Cartes (Paraguai), Ollanta Humala (Peru), Desiré Bouterse (Suriname), José Mujica (Uruguai) e o primeiro-ministro Laurent Lamothe (Haiti).

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!