Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DIABETES E HIPERTENSÃO

Dilma diz que 18 milhões já foram beneficiados com remédios

Dilma diz que 18 milhões já foram beneficiados com remédios
20/01/2014 07:30 - AGÊNCIA BRASIL


 A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (20) que 18 milhões de brasileiros já foram beneficiados com medicamentos para diabetes e hipertensão oferecidos pelo Programa Saúde Não Tem Preço nos últimos três anos. O número, segundo ela, é 20 vezes maior que o acesso antes da distribuição gratuita. Além disso, 1,2 milhão de pessoas tiveram acesso a remédios para asma desde junho de 2012.

"Ao garantir esse remédio de graça, a gente ajuda as pessoas a preservar a saúde, a fazer o tratamento direitinho, tomando cada dose na hora certa, evitando tratamentos hospitalares e consequências piores. Isso significa menos complicações de saúde e uma vida muito melhor para o paciente."

No programa semanal de rádio Café com a Presidenta, Dilma lembrou que os medicamentos estão disponíveis em todas as unidades da rede Aqui Tem Farmácia Popular, que já somam quase 30 mil em mais de 4 mil cidades. Ao todo, são 14 tipos de remédio para asma, hipertensão e diabetes. Os medicamentos de graça também podem ser retirados em mais de 500 farmácias do governo, montadas em parceria com os estados e municípios.

Para pegar o remédio, a pessoa deve levar a identidade, o CPF e uma receita médica que esteja dentro do prazo de validade. A receita pode ser de um médico da rede pública ou particular.

Dilma destacou que o Farmácia Popular também oferece remédios com desconto até 90% para o controle do colesterol, glaucoma, da rinite alérgica, osteoporose e do mal de Parkinson, além de anticoncepcionais e fraldas geriátricas.

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!