Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

compromisso

Dilma defende liberdade de culto, de imprensa e estabilidade em diplomação

17 DEZ 2010Por ESTADÃO21h:15

Exibindo uma sobriedade e um estilo que já a diferenciam do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente eleita, Dilma Rousseff, foi diplomada ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com a promessa de defender a liberdade de imprensa e de culto. Dilma reafirmou, ainda, o compromisso com a estabilidade econômica. Na mesma cerimônia, o vice Michel Temer também foi diplomado.

Num discurso curto, de seis minutos e meio, Dilma destacou prioridades de sua futura gestão, como a educação, a segurança das comunidades e a saúde de todos os brasileiros. Ao lembrar que é a primeira mulher eleita presidente da República, disse que se empenhará em honrar compromissos, cuidar dos mais frágeis e governar para todos.

"Conto com todos e todas e todos e todas podem contar comigo", insistiu a presidente eleita. Por um momento, pareceu que ia chorar e fez uma pausa. Emocionada, disse que sua eleição "rompe preconceitos, desafia limites e enche de esperança um povo sofrido."

Com um vestido e blazer azul royal – enfeitado com renda em tom de vinho –, Dilma recebeu o diploma das mãos do presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski. "O TSE declara que ambos (Dilma e Temer) encontram-se legalmente aptos a tomar posse perante o Congresso Nacional, respectivamente, nos cargos de presidente e vice-presidente da República, com todos os direitos e deveres a eles inerentes", afirmou Lewandowski.

Convidados. Para a cerimônia, a presidente eleita convidou a mãe, Dilma Jane, e a filha, Paula.

Também foram chamados os ministros já escolhidos, os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS), além dos três coordenadores de sua campanha, apelidados de "três porquinhos": Antonio Palocci, futuro ministro da Casa Civil, José Eduardo Cardozo, que assumirá a Justiça, e o presidente do PT, José Eduardo Dutra.

Dilma também levou para a cerimônia a jornalista Maria Olga Curado, responsável pelos exercícios de aikidô que garantiram tranquilidade à candidata, durante a campanha.

Criador. A futura presidente não se esqueceu de Lula, que bancou a candidatura dela, conseguiu fazer transformar em votos a sua popularidade e a elegeu. Disse que tem consciência de que será muito difícil suceder o presidente que, na sua avaliação, chegou à Presidência pela ousadia do povo brasileiro.

Para Dilma Rousseff, esse mesmo povo-eleitor ousou mais uma vez e elegeu pela primeira vez uma mulher para a Presidência. "Foi esse sentimento que fez o povo eleger uma mulher", disse. Para ela, esse fato representa a crescente maturidade da democracia brasileira.

Ela afirmou ainda que vai governar para todos. Mencionou, particularmente, as mulheres brasileiras, prometendo respeitá-las, bem como ao povo. "Sei que há muitas expectativas em relação ao nosso governo que se inicia", disse ela.

A presidente eleita disse que qualquer estratégia política e econômica só será efetiva caso se "reflita diretamente na vida de cada trabalhador, de cada empresário, de cada família". O diploma presidencial recebido por Dilma foi feito pela Casa da Moeda do Brasil.

Diz: "Pela vontade do povo brasileiro, expressa nas urnas em 31 de outubro de 2010, a candidata pela Coligação Para o Brasil Seguir Mudando, Dilma Vana Rousseff, foi eleita presidente da República do Brasil.

Leia Também