Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍCIA CIL

DEVIR registra 18% dos boletins

DEVIR registra 18% dos boletins
14/01/2014 16:15 - DA REDAÇÃO


A Delegacia Virtual de Mato Grosso do Sul – DEVIR/MS fechou o ano de2013 com o total de 40.361 boletins registrados. Só no mês de dezembro foram 3.299 registros.

No mês de dezembro o total de boletins foi de 3.299, distribuídos entre:

- Extravios: 3.143
- Furtos simples: 151
- Desaparecimento: 05

Os  registros de furtos simples apresentaram pouca oscilação perfazendo uma média mensal de 140, enquanto que os de extravios tiveram média mensal de 3.218, superior ao ano de 2012, quando o total foi de 2.373.

Comparativo 2011/ 2012/ 2013

A Devir, no contexto da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, apresenta crescimento  dada a sua função, ou seja, de ser uma alternativa ao cidadão no registro do boletim de ocorrência:

 

Comparativo

Polícia Civil

Devir

%

Total de Boletins em 2011

212.504

21.506

10,12

Total de Boletins em 2012

219.756

30.185

13,73

Total de Boletins em 2013

222.375

40.363

18,15

 

Tabela 1: A Devir no contexto da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

A participação da Devir em 2011 foi de 10,12% no total de registros da PC/MS. Em 2012, a participação aumentou para 13,73% e, em 2013, a participação da DEVIR passou a 18,15% do total de registros da Polícia Civil.

Em 2013 a DEVIR registrou 10.176 boletins a mais que no ano de 2012, uma elevação de 33,71% sobre os registros feitos em 2012.

 

 

Delegacia Virtual - PCMS

Fatos

2012

2013

 Δ Absoluta

 Δ%

Furto simples

1.662

1.680

18

1,08

Desaparecimento

53

63

10

18,87

Extravio

28.470

38.618

10148

35,64

Total de Registros

30185

40361

10176

33,71

 

Tabela2: Total de registros da DEVIR nos anos de 2012 e 2013.

 

 

 

Felpuda


Outrora afinadíssimo com o presidente Jair Bolsonaro, parlamentar sul-mato-grossense começou a ser escanteado em consequência de uma das crises políticas de grande repercussão. A figura entrou em campo e botou falação sobre o que estava ocorrendo, e isso soou que só como crítica pesada ao governo, que, como não poderia deixar de ser, não gostou nadica de nada. Há quem diga que o dito-cujo é muito levado “pelo sangue”. Então, tá!...