Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Desmatamento contribuiu para as mortes

Desmatamento contribuiu para as mortes
20/07/2010 08:17 -


A mortalidade dos bovinos, principalmente da raça nelore, registrada nas regiões sul e oeste de Mato Grosso do Sul, poderia ter sido evitada ou, pelo menos, minimizada, se os proprietários tivessem mantido os 20%, 35% ou 80%, de acordo com a região e o tipo de vegetação de reserva de mata nativa estabelecidos pela lei.
De acordo com especialistas, a falta de cobertura vegetal retira uma certa proteção natural contra o vento e faz com que os animais fiquem expostos às ações do tempo. “Onde mais se perderam animais foi nas áreas de antigas lavouras e que, por isso, não tem a cobertura vegetal. Se tivesse os capões de mato, por exemplo, os animais não ficariam desprotegidos”, avaliou a diretora da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), Maria Cristina Carrijo.
De acordo com o chefe de proteção ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos em Mato Grosso do Sul (Ibama/MS), Luiz Augusto Benatti, a mortalidade dos animais “com certeza tem relação” com a falta das árvores da vegetação nativa. “Os animais estão em uma pastagem degradada, em situação ruim e quando vem o frio, fica complicado”, explicou Benatti.
Segundo ele, a fiscalização das reservas legais em propriedades do Estado fica a cargo do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). O Ibama, que é um órgão federal, só atua quando fica constatada ausência de atuação do Estado ou casos que configuram crimes mais graves. (BG)

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...