Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Desemprego atinge menor taxa para março em 12 anos

29 ABR 10 - 06h:40
São Paulo

A taxa de desemprego no País ficou em 13,7% em março, ante 13,0% em fevereiro, segundo pesquisa realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) em seis regiões metropolitanas e divulgada ontem. Apesar da elevação, é a menor taxa para um mês de março desde 1998. No mesmo mês em 2009, a taxa havia sido de 15,1%.
“Após o aquecimento do mercado de trabalho no final do ano, é esperada uma redução no nível de atividade”, disse Patrícia Lino Costa, economista do Dieese, referindo-se ao aumento do desemprego de fevereiro para março.
O índice subiu em todas as seis cidades, principalmente em Salvador, onde foi de 18,8% em fevereiro para 19,9%, e em São Paulo, passando de 12,2% para 13,1%. Trata-se da menor taxa para um mês de março desde 1992.
Nessa região metropolitana houve eliminação de 86 mil postos de trabalho. Na divisão por setores, o nível de ocupação aumentou apenas na indústria paulista, com a criação de 12 mil vagas. “O comportamento da indústria é um sinalizador de tendência”, afirmou Alexandre Loloian, coordenador do Seade.
Em Belo Horizonte e no Distrito Federal, a elevação da taxa teve menor intensidade. Na capital mineira, o desemprego passou de 9,7% para 10,2%, e no DF, de 14,1% para 14,7%.
Já em Porto Alegre e no Recife, houve quase estabilidade. Na capital gaúcha, a taxa passou de 9,6% para 9,8%. E na capital de Pernambuco, a taxa subiu de 19% para 19,3%.
O contingente de desempregados nas seis regiões analisadas foi estimado em 2,767 milhões de pessoas no mês passado, 149 mil a mais do que em fevereiro. Esse número é resultante da eliminação de 137 mil vagas, aliada à relativa estabilidade da PEA (População Economicamente Ativa).
Nesse mesmo comparativo, o nível de ocupação, na média nacional, teve queda de 0,8%. O total de ocupados nas seis regiões pesquisadas foi estimado em 17,423 milhões de pessoas, para uma PEA de 20,190 milhões.
Na divisão por atividade, o nível de ocupação nas seis regiões metropolitanas diminuiu em serviços (115 mil vagas a menos), no comércio (retração de 55 mil) e no agregado de outros setores (menos 19 mil vagas).
No sentido oposto, houve crescimento na indústria (31 mil vagas a mais) e na construção civil (abertura de 21 mil postos de trabalho).

Rendimento
Em fevereiro, o rendimento médio real dos ocupados no País praticamente não teve variação (leve queda de 0,1%), equivalendo a R$ 1.274. Já o dos assalariados ficou em R$ 1.340, apresentando redução de 0,7%.
O rendimento médio dos ocupados diminuiu no Distrito Federal (retração de 1,6%), passando a valer R$ 1.811. O mesmo movimento foi registrado em São Paulo (-0,6%), para R$ 1.309, e em Belo Horizonte (-0,6%), para R$ 1.295.
Em Salvador, houve relativa estabilidade, com variação negativa de 0,2%, para R$ 1.024. Já Recife e Porto Alegre apresentaram acréscimo no rendimento. Na capital de Pernambuco, o rendimento subiu 2,9%, para R$ 841. E na segunda capital, o rendimento aumentou 2,7%, para R$ 1.267.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUSÃO

Cade aprova aquisição de parte da Embraer pela Boeing

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant
ASTRO DO BASQUETE

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant

ALERTA

Anvisa só inspeciona aviões da China quando suspeita de coronavírus é notificada

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"
COMPORTAMENTO

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião