Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'Desejo sorte para ela na Justiça', diz Bruno sobre amiga que o atropelou

'Desejo sorte para ela na Justiça', diz Bruno sobre amiga que o atropelou
24/08/2012 02:00 - g1


Três dias depois do acidente que lhe rendeu 30 pontos nos braços, o cantor Bruno Scornavacca, do KLB, conta que ainda não falou com a amiga que o atropelou: ele não registrou queixa, mas desejou sorte para ela no inquérito que responderá por embriaguez ao volante. "Espero que sirva de lição para ela”, afirma o cantor.

Bruno foi atropelado na madrugada de segunda-feira (20), no Itaim Bibi, na Zona Sul de São Paulo. Ele recebeu o G1 em seu estúdio, na Zona Sul de São Paulo, ontem (23). Ele afirma que ainda sente dores, mas comemora a ausência de lesões sérias e a previsão de retorno, em 15 dias, aos treinos de MMA. “Eu estou ótimo. A única coisa chata é que tenho que manter sempre os curativos por causa de meus cachorros e ainda sinto muitas dores pelo corpo”, diz.

O cantor foi atropelado depois de sair de uma balada com amigos, no início da semana. “Nós fomos comer em uma temakeria de um amigo meu, que funciona em uma van. O dono pediu uma foto comigo e quando acabei de comer fui tirar a foto. Dei a volta na van e enquanto esperava ele pegar a máquina só escutei o barulho da ré muito forte. Quando virei, deu tempo apenas de proteger o rosto e fui esmagado. A pancada foi muito forte”, lembra.

Após o acidente, o cantor permaneceu caído e foi socorrido por amigos. “Fiquei consciente o tempo todo, mas tive medo de morrer. Senti uma dor insuportável na região do abdômen e achei que tivesse quebrado o braço também. Pela dor que senti e o estrago no carro, só pode ter sido um milagre de Deus.”

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.