Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DISPUTA POR TERRA

Descrentes com ministro, produtores procuram Mercadante

Descrentes com ministro, produtores procuram Mercadante
14/03/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


A demora do Ministério da Justiça em resolver a questão indígena na região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti promete trazer à tona nova movimentação dos produtores rurais, segundo reportagem na edição de hoje (14) do jornal Correio do Estado. O objetivo agora é o apoio da bancada federal de Mato Grosso do Sul, e tentar sensibilizar o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a resolver a situação.

Para os produtores, o cancelamento da vinda do ministro José Eduardo Cardozo, no início do mês, foi a gota d’água. A revolta com a pasta não é por pouca coisa, já que o próprio Cardozo agendou a reunião, e deu para trás de última hora, adiando mais uma vez a resolução da disputa por terras, que já teve até morte.

O receio é de que a situação se prolongue até as eleições deste ano, e que a questão indígena seja novamente politizada, adiando a solução do conflito.

Segundo a reportagem de Vinícius Squinelo, o cancelamento da agenda do ministro na Capital acabou criticado até pelo governador André Puccinelli. Questionado sobre a ausência de Cardozo, o governador foi irônico. “Eu sei o que você está pensando, que o ministro está empurrando com a barriga, eu também acho o mesmo”, confidenciou à repórter do Correio do Estado no dia que o ministro deveria estar na cidade, 6 de março deste ano.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?