Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Descontrole faz disparar cheques sem fundos

Descontrole faz disparar cheques sem fundos
17/08/2010 08:56 -


ADRIANA MOLINA

O volume de cheques sem fundos em Mato Grosso do Sul disparou em julho, causando ao comércio do Estado prejuízo de R$ 154,7 milhões. O montante é 42,7% maior que em junho, quando foram emitidos cerca de R$ 108,4 milhões em documentos do tipo, conforme dados do Banco Central do Brasil (BCB). Avaliação feita pela Federação do Comércio de MS (Fecomércio) aponta como principal razão do cenário desanimador para os comerciantes a falta de controle dos consumidores sobre suas despesas.
O assessor econômico da entidade, Thales de Souza Campos, afirma que julho não é um mês de grandes cobranças, como janeiro e fevereiro, em que impostos sobre imóveis e veículos, associados a resquícios de dívidas de Natal e Ano Novo, acabam reduzindo a disponibilidade de recursos dos consumidores para outros gastos. “Não temos datas comemorativas nesta época suficientes para comprometer a renda a esse ponto. Isso significa que a atual situação é fruto do descontrole dos compradores sobre suas próprias contas”, pondera.
Thales avalia o tipo de pagamento como um dos mais complicados de se ter controle, já que a forma pré-datada – usada para compras a prazo –  acaba protelando uma dívida que poderá ser esquecida pelo dono. Em quantidade, o número de cheques sem fundos no mês passado foi 33,4% maior que em junho, totalizando 104,5 mil documentos devolvidos pela falta de crédito nas contas bancárias.

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!