Descoberta de nanolaser leva à criação de chips ultrarrápidos

Descoberta de nanolaser leva à criação de chips ultrarrápidos
27/07/2012 05:00 - terra


 

O menor laser semicondutor do mundo, uma importante descoberta para a tecnologia fotônica - com desdobramentos em áreas como computação e medicina -, foi anunciado por físicos da Universidade do Texas em Austin com a ajuda de pesquisadores de Taiwan e da China. A pesquisa que levou à criação do nanolaser foi divulgada na revista Science desta semana. Chips ultrarrápidos para computadores e biossensores altamente sensíveis para o tratamento de doenças estão entre as promessas da descoberta para uma nova geração aparelhos.

A redução de lasers semicondutores (emissores das menores dimensões existentes e passíveis de produção em larga escala) a níveis cada vez menores é fundamental para o desenvolvimento de tecnologias mais velozes e menos gastadoras.

Esses aparelhos levam informações através de nanolasers que geram sinais ópticos e têm o potencial de substituir circuitos eletrônicos - aumentando assim em milhares de vezes a capacidade de transmissão de dados. A ciência da nanofotônica vinha sendo limitada por uma restrição apresentada pelos lasers disponíveis até então.

"Desenvolvemos um dispositivo de nanolaser que opera muito abaixo do limite de difração em três dimensões", disse Chih-Kang "Ken" Shih, professor de Física que coordenou a descoberta. "Acreditamos que nossa pesquisa pode ter grande impacto na nanotecnologia."

A criação de nanolasers como esse deve contribuir para o desenvolvimento de chips nos quais todos os processos acontecem no próprio chip, em um sistema de comunicação conhecida como "on-chip" que poderia prevenir o excesso de aquecimento e a perda de informações típicos dos dispositivos eletrônicos que transmitem dados através de múltiplos chips.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".