Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Desafios no consórcio do milho safrinha com a braquiária

29 MAR 10 - 10h:23*GESSI CECCON
A soja e o milho são as duas principais culturas produtoras de grãos no Brasil. A soja predomina nos cultivos de verão e o milho safrinha durante o outono- inverno, principalmente na região Centro-Oeste e parte das regiões Sul e Sudeste. O plantio direto é o sistema predominante de cultivo, porém esta sucessão de culturas apresenta baixos índices de cobertura do solo com palha, favorecendo a degradação do solo e redução na produtividade das culturas. O cultivo consorciado de milho safrinha com braquiária pode proporcionar quantidade e qualidade ideais de palha para cobertura do solo, proporcionando benefícios às culturas cultivadas em sucessão, em especial a soja. A semeadura simultânea com linhas alternadas de milho e braquiária, desenvolvida pela Embrapa Agropecuária Oeste, é uma tecnologia reconhecida pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – Mapa, através do Zoneamento de Riscos Climáticos para os Estados de Mato Grosso do Sul e Paraná. Contudo, para obter os benefícios do cultivo consorciado, é importante seguir critérios técnicos indicados pela pesquisa, a fim de evitar a interferência de uma no crescimento da outra durante o cultivo e maximizar seus benefícios à cultura em sucessão, sendo fundamental a superação de dois principais desafios. O primeiro desafio do consórcio é produzir grãos de milho na presença da braquiária e possibilitar o maior crescimento dela após a colheita do milho. Neste sentido, é necessário ajustar a população de braquiária à população do milho; porém se isso não for conseguido, a utilização de herbicidas específicos pode ser uma opção importante, a fim de evitar o crescimento excessivo da forrageira durante o desenvolvimento do milho safrinha. O segundo desafio é mais complexo, pois envolve condições climáticas da região e operacionais na propriedade agrícola, de modo que para a dessecação da braquiária deve-se levar em conta a época de semeadura da soja, a quantidade de palha produzida pelo consórcio e o período de tempo entre a dessecação e a semeadura da soja. Em Mato Grosso do Sul, as condições climáticas de outubro são preferidas em relação às de setembro, tendo em vista as melhores condições de temperatura e umidade relativa do ar, e principalmente pela melhor atividade fisiológica e crescimento da braquiária. Salienta-se que em trabalho desenvolvido em Dourados, os maiores rendimentos de grãos de soja foram obtidos nas semeaduras realizadas em novembro, aos 11 dias após a dessecação da Brachiaria ruziziensis. Assim, ajustar o melhor tempo entre a dessecação da braquiária e a semeadura da soja é outro importante desafio a ser superado, a fim de proporcionar a maximização dos benefícios do consórcio.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Atraso do Reviva prejudica <br>comércio e 35 lojas já fecharam
CAMPO GRANDE

Atraso do Reviva prejudica comércio e lojas fecham

Banco será  responsável por aditivo <br>em obra do Reviva Centro
REVIVA CAMPO GRANDE

Banco será responsável por aditivo
em obra do Reviva Centro

Sanesul pode perder concessão de serviços de saneamento em Dourados
IMPASSE

Sanesul pode perder concessão de serviços em Dourados

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "Ganância desenfreada"

Mais Lidas