Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Desafio de 2014

4 JUL 10 - 00h:32
Foi se o tempo em que uma desclassificação da  seleção brasileira era considerada desastre nacional. Não temos mais esse sentimento. Somos campeões cinco vezes, o maior número de títulos de Copa do Mundo, e derrota faz parte do jogo.
Apontar culpados sempre que o Brasil perde é o prato predileto de meia dúzia de cronistas esportivos mais preocupados em dar vazão ao ponto de vista pessoal do que propriamente levar até milhares de apaixonados por futebol, análise equilibrada e realista da participação do Brasil na Copa da África.
Em 2006, foram os jogadores “baladeiros”, “gordos” e “sem compromisso” com a seleção. Desta vez, sobrou para o treinador Dunga, no atacado, e o jogador Felipe Melo, no varejo. Os dois foram crucificados pela eliminação. É claro que o capitão de 1994 não é um técnico perfeito. Todos sabiam, porém que este detalhe sempre foi sobreposto pelo espírito de luta de um guerreiro que conquistou o respeito dos torcedores brasileiros.
Para muitos ele escolheu mal os jogadores. E nisso inclui-se Felipe Melo, que de fato prejudicou o time ao ser expulso. Mas errar é humano e esta máxima vale para todos, indistintamente. Basta lembrar que, no mesmo dia em que a seleção foi despachada pela Holanda, o técnico Dunga gozava de quase 70% de aprovação popular, conforme dados do Instituto de Pesquisa DataFolha. Porcentual que surpreendeu e mostrou confiança da torcida no gaúcho de forte personalidade.
Até porque no último jogo, o técnico já tinha feito alterações, improvisos e foi principal protagonista em briga contra tentativa da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)  de oferecer exclusividade à Globo em entrevistas e coberturas de treino. Talvez pela sua firmeza, é que o povo brasileiro percebeu que tinha muito mais do que um técnico à frente de sua seleção. Dunga chegou e conseguiu virar o próprio jogo ao restaurar a ordem na seleção e recuperar o amor pela camisa brasileira. Isso ele conseguiu. Se a seleção continuasse atuando como no primeiro tempo, quando Felipe Melo jogou muito bem, teria vencido. E todos estariam felizes. Mas o ótimo goleiro Júlio César falhou. A equipe ficou nervosa, perdeu o rumo e deixou a competição.
Resta agora planejar novo time para para 2014. Neste ano, o País do futebol terá com certeza duas copas para disputar. A primeira, mais difícil, será o campeonato da organização. Temos que mostrar ao mundo capacidade de organização. Todos estarão de olho no País, que terá de melhorar aeroportos, transporte e estádios. Aí é esperar e torcer para que a nova geração conquiste o almejado hexa no Maracanã ou qualquer outro estádio brasileiro. Mas que seja campeão. Afinal, futebol é um jogo complicado, cheio de surpresas e armadilhas. E tem 11 jogadores do outro lado.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Suspensão de inscrições para moradias populares é prorrogada
PROGRAMAS HABITACIONAIS

Inscrições para moradias populares seguem suspensas

Após três meses, materiais recicláveis novamente pegam fogo em empresa
GRANDES PROPORÇÕES

Após três meses, materiais recicláveis novamente pegam fogo em empresa

Cármen Lúcia manda TRF-4 soltar presos por condenação em 2ª instância
MINISTRA DO STF

Cármen Lúcia manda TRF-4 soltar presos por condenação em 2ª instância

Comércio ficará aberto até mais tarde durante o fim de ano
HORÁRIO ESPECIAL

Comércio ficará aberto até mais tarde no fim de ano

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião