Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

SUCESSÃO PRESIDENCIAL

Deputados usam tribuna para campanha de presidenciáveis

27 OUT 2010Por Lidiane Kober00h:40

Às vésperas do segundo turno da eleição presidencial, deputados voltaram ontem a usar a tribuna da Assembleia Legislativa para fazer campanha. Com base em comparações dos índices econômicos e sociais, os petistas defenderam a escolha de Dilma Rousseff (PT). Os tucanos, por sua vez, destacaram a experiência administrativa de José Serra (PSDB) e a necessidade de a candidata do PT “sair da sombra” do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O primeiro a ocupar a tribuna foi o deputado Amarildo Cruz (PT). Ele sugeriu ao eleitor para comparar a gestão atual à anterior antes de confirmar o voto no próximo domingo. “Vamos pegar os números, todos os números: da dívida externa, do salário, do consumo, do desemprego. Tenho certeza absoluta que, na gestão do presidente Lula, tudo melhorou”, disse. “O presidente Lula fez um País mais justo, mais humano e a Dilma vai dar continuidade às ações e melhorar ainda a vida das pessoas”, completou.

O deputado Pedro Teruel (PT) ressaltou também os investimentos do atual governo em educação. Ele fez questão de ressaltar o crescimento do acesso de estudantes carentes às universidades por meio de projetos federais, como o ProUni (Programa Universidade para Todos). Em contrapartida, os tucanos criticaram “a autossuficiência e a prepotência” dos petistas quando se manifestam sobre a gestão do atual presidente. “Eles falam como se antes do Lula não existisse nada”, comentou o deputado Professor Rinaldo (PSDB). “Até parece que o Brasil foi descoberto há oito anos”, reforçou o deputado Onevan de Matos (PSDB).

Os parlamentares do PSDB até admitiram o avanço do País, mas pediram o reconhecimento das ações anteriores, como dos ex-presidentes Itamar Franco (PPS) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “Quem não lembra da época da inflação, que o FHC conseguiu controlar depois de o Itamar criar o Plano Real”, citou Rinaldo.


Pesquisas
Os tucanos ainda criticaram as últimas pesquisas divulgadas, que dão a vitória a Dilma Rousseff. “Melhor pesquisa é do dia 31”, defendeu Rinaldo. “Os institutos também diziam que não teria segundo turno, diziam que a Dilma venceria em Mato Grosso do Sul, mas a Dilma não venceu no primeiro turno e nem aqui no Estado”, acrescentou.

Para o deputado, o eleitor deve prestar atenção na trajetória política e administrativa dos candidatos. “O Serra foi senador, ministro, prefeito e governador de São Paulo”, lembrou. “Agora, se tirar o Lula da vida da Dilma, o que sobraria?”, questionou Rinaldo.

Leia Também