Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Deputados do PMDB rejeitam apoio a Dilma

4 MAR 10 - 05h:02
Deputados do PMDB rejeitaram a ideia de o governador André Puccinelli (PMDB) apoiar a ministra Dilma Rousseff (PT) na sucessão presidencial, para impedir a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT). Os petistas também criticaram a proposta de parceria por considerar a aproximação do governador falsa e movida apenas por interesses eleitoreiros. Já os tucanos prometeram enfrentar Puccinelli no caso da aliança com Dilma for confirmada. A tendência do PMDB de ficar com a candidata do PT foi anunciada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jerson Domingos (PMDB). “No momento oportuno, o André vai marcar posição em favor de Dilma. Isto se confirmar o acordo nacional do PMDB com o PT”, revelou Jerson, depois de conversa confidencial com Puccinelli. O anúncio mexeu com os nervos das lideranças políticas de Mato Grosso do Sul. Para o deputado estadual Youssif Domingos (PMDB), antes de decidir, o governador precisa ouvir o partido. Ele avaliou ainda que o PMDB tem muito mais a perder por eventual aliança com o PT, em detrimento do PSDB. “É equivocada a interpretação de que a popularidade do presidente vai interferir. Isso ficou claro em 2006, quando Lula perdeu no primeiro e no segundo turno para o PSDB no Estado”, ressaltou. Já o deputado Marquinhos Trad (PMDB) repudiou o indicativo de as questões ideológicas sobreporem-se aos interesses particulares. “Político precisa ter lado, não seguir pesquisas que apontam o crescimento de determinado candidato (no caso da ministra Dilma)”, defendeu. “É muito mais coerente continuar a parceria com o PSDB, levando-se em conta as constantes trocas de acusações do governador com os petistas”, completou. Da mesma forma, pensa o deputado estadual Júnior Mochi (PMDB). Para ele, o PMDB deve manter o casamento com o PSDB. “Defendemos o mesmo projeto político e os anos de parceria demonstram a força da nossa união”, frisou. Só por conveniência Embora não rejeitem o apoio do governador à ministra Dilma Rousseff, os petistas criticaram a posição do peemedebista. “O André sempre age de acordo com seus interesses pessoais”, declarou o deputado Paulo Duarte (PT). “Como ele viu nas pesquisas o crescimento da Dilma e existe o burburinho que o Serra (José Serra) não vai concorrer, o governador decidiu pegar uma marolinha para o Zeca (José Orcírio) não surfar sozinho na onda do Lula”, concluiu. O deputado Amarildo Cruz (PT) reforçou a teoria, classificando a aliança como medida de pura conveniência. “O André está percebendo que a Dilma vai vencer e, logicamente, não quer ficar mal diante do Lula e da futura presidente”, disse. Enquanto isso, os tucanos reforçaram o projeto de candidatura própria na hipótese de o PMDB firmar aliança com o PT na sucessão presidencial. “Nós temos o nosso candidato”, repetiu o presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja. Segundo ele, a senadora Marisa Serrano (PSDB) está pronta para entrar na batalha pela sucessão estadual.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

ALIANÇA PELO BRASIL

Bolsonaro admite que pode presidir novo partido

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo
ATACANTE

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo

BRASIL

Reforma administrativa será "suave", afirma Bolsonaro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião