Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 22 de fevereiro de 2019 - 11h24min

Deputados admitem racha no PMDB

9 SET 10 - 21h:23
Lidiane Kober

Deputados do PMDB admitem que o partido está dividido na disputa por vaga de senador. A legenda firmou aliança em favor da “dobradinha” do deputado federal Waldemir Moka (PMDB) com o vice-governador Murilo Zauith (DEM), porém, parte dos peemedebistas estão apoiando Moka e o senador Delcídio do Amaral (PT). É o caso do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jerson Domingos (PMDB). O problema é que o racha partidário abriu crise na coligação do governador André Puccinelli (PMDB), com o anúncio do vice-prefeito Edil Albuquerque (PMDB) de que retiraria sua candidatura a primeiro-suplente. Para piorar a situação, até ontem, não apareceram sugestões para substituir Edil e o problema é empurrado de mão em mão. Alguns apostam que o vice-prefeito recuará da decisão (veja matéria ao lado).
“Me dá um motivo para eu apoiar o Murilo?”, questionou Jerson. Para ele, o vice-governador não consegue arregimentar o apoio de todo o PMDB porque “esteve ausente das administrações municipais”. “Agora, os prefeitos que me apóiam estão com o Delcídio”, explicou. “Não posso ser ingrato e injusto ficando contra uma pessoa (Delcídio) que sempre me atendeu quando busquei recursos para as prefeituras do Estado”, completou.
O deputado Carlos Marun (PMDB) também reconheceu o descaso de parte das lideranças do partido na campanha do democrata. “O fato de o Murilo ter demorado para bater o martelo em relação a sua candidatura criou espaço para o Delcídio obter alguns compromissos, inclusive, de gente do nosso partido”, ressaltou.
Outro que acredita ser do vice-governador parte da culpa por não conseguir aglutinar o apoio do PMDB é o presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja. Para ele, Murilo não adotou a melhor estratégia de campanha. “Ele está fazendo uma campanha isolada, separada dos candidatos a deputado”, disse. Agora, o tucano não está disposto a ajudar a encontrar uma solução para a vaga aberta, caso Edil Albuquerque assine o termo de desistência na Justiça Eleitoral. “O Murilo precisa sentar com o PMDB e resolver o problema”, sugeriu.
O deputado Youssif Domingos (PMDB), por sua vez, ainda acredita na possibilidade de o vice-prefeito de Campo Grande voltar atrás. Para ele, Edil apenas fez um desabafo ao manifestar o plano de deixar de ser parceiro de Murilo. O parlamentar ainda fez questão de revelar empenho na campanha da “dobradinha” Moka e Murilo. “Em todas as minhas reuniões peço votos para o vice-governador”, assegurou.
Da mesma maneira age o deputado Marquinhos Trad (PMDB). Ele pede votos para Murilo, mas admitiu que nem todos os correligionários estão do lado do democrata na dispusta por vaga de senador. Por isso, revelou-se solidário à atitude de Edil.
Já Murilo informou tocar sua campanha normalmente e jogou para o PMDB a responsabilidade de fechar o “buraco” se Edil oficializar a desistência de concorrer.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Morador do Vila Alba reclama de cano estourado há mais de um mês

Morador do Vila Alba reclama de cano estourado há mais de um mês

CAMPO GRANDE

Após cometer roubos no bairro Caiobá, homem morre em confronto com a PM

Ele tinha passagens por homicídio, tráfico de drogas e roubo
Em tratamento contra a dengue, menina precisa de doação de plaquetas
SOLIDARIEDADE

Menina precisa de doação de sangue e plaquetas

Smartphone tem diferença  de preço de até R$ 550 na Capital
PESQUISA

Smartphone tem diferença de preço de até R$ 550 na Capital

Mais Lidas