Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Depois de mortes, alerta é para bois doentes

Depois de mortes, alerta é para bois doentes
21/07/2010 20:58 -


MICHELLE ROSSI

Depois do alto registro da morte de aproximadamente três mil cabeças de gado por hipotermia em decorrência da mudança brusca de temperatura no Estado, a preocupação agora é recuperar os bovinos que ficaram debilitados com a situação. Técnicos da Agência Estadual de Defesa Animal e Vegetal (Iagro) que percorrem as propriedades rurais também estão constatando animais doentes, que sofrem com as baixas temperaturas. “O risco é dos animais que não morreram, mas foram de alguma forma afetados pela onda de frio, desenvolvam doenças causadas por bactérias, como a pneumonia”, disse a diretora presidente da Iagro, Maria Cristina Carrijo.
Em Caarapó, no sul do Estado, cidade que mais contabilizou registro de mortes até o momento – são 800 cabeças, segundo o sindicato rural do município —, os proprietários das fazendas estão agora empenhados em recuperar os doentes. “Existe o temor de que mais animais morram nos próximos dias por conta ainda do frio que atingiu a região, mas que hoje (ontem) já deu uma amenizada”, descreveu o presidente do sindicato, Jesus Camasho, que ainda descreve a situação na cidade como crítica.
“Estamos enterrando os animais mortos e vendo muitos animais deitados nos campos, debilitados. Fazemos de tudo para recuperá-los, levando-os para os galpões fechados, damos soro, mas alguns não resistem”, apontou o presidente do sindicato, que também perdeu gado com a recente onda de frio.

Exames
Laudos de necropsia das carcaças de animais devem ser divulgados em uma semana e vão apontar se há alguma bactéria oportunista comum associada à morte dos animais, mas a diretora da Iagro já adianta que a hipotermia foi a principal causa das mortes. “Os laudos são feitos, como já é rotina, mas não há dúvidas de que a mudança brusca de temperatura causou as mortes”, relatou.
Poucas áreas de mata preservada, o que barraria os ventos nos campos abertos, garantindo uma sensação térmica mais confortável aos bovinos, teria sido o fator que mais contribuiu para as mortes, segundo relatos de especialistas, autoridades e pecuaristas. A onda de frio atingiu o Estado de quarta-feira (dia 14) até esta segunda-feira (dia 19).    

Prejuízos
Propriedades rurais de muitos municípios estão contando animais mortos, mas em Caarapó, a estimativa é de que o prejuízo chegue nas casa dos R$ 700 mil, considerando os 800 mortos. “Mas esse número vai aumentar porque ainda não fechamos o balanço na cidade. Em Caarapó, seguramente já passou de mil bovinos”, disse o presidente do sindicato rural na cidade, que ainda não viu alternativas para reverter os prejuízos.

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!