SERASA

Demanda por crédito fica estagnada em janeiro

Demanda por crédito fica estagnada em janeiro
17/02/2014 15:45 - AGÊNCIA BRASIL


A busca das empresas por crédito manteve-se praticamente estagnada em janeiro deste ano, aponta levantamento divulgado hoje (17) pela empresa de consultoria Serasa Experian. A taxa de variação ficou em 0,2% na comparação com igual período de 2013. Em relação a dezembro, no entanto, houve alta de 6%. Esse avanço é explicado pelo maior número de dias úteis em janeiro, sendo 23 contra 21 dias no último mês do ano.

A estagnação, de acordo com os economistas da Serasa, está relacionada à alta dos juros e do dólar e às incertezas dos empresários quanto ao cenário econômico para 2014. O maior recuo na demanda por crédito ocorreu entre as empresas de médio porte, com taxa de -3,1%. As grandes empresas, por outro lado, registraram avanço de 9,9% e as de micro e pequeno porte apresentaram alta de apenas 0,3% no primeiro mês do ano ante janeiro de 2013.

Na análise por setor, a indústria registrou maior alta, com 6,1%. Também houve avanço entre as empresas de serviço, com 2,4%. Esses resultados, no entanto, foram praticamente anulados pelo movimento de queda do setor comercial, que recuou 3% em relação a janeiro do ano passado.

As regiões Centro-Oeste e Nordeste apresentaram altas idênticas de 2,4%. O Sudeste também registrou acréscimo de 0,4% na comparação anual. Na região Norte, a variação foi nula. O Sul, por sua vez, foi a única região do país a apresentar índice negativo, com -2,6% ante igual período do ano passado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".