Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

DEM e PSDB podem ser figurantes na eleição

7 ABR 10 - 23h:24
Lidiane Kober

Se o vice-governador Murilo Zauith (DEM) confirmar o fim do projeto de concorrer ao Senado na chapa do governador André Puccinelli (PMDB), o DEM e o PSDB serão apenas figurantes nas eleições de outubro. Os partidos, que juntamente com o PPS, formam o Bloco Democrático Reformista (BDR) não deverão lançar candidato ao Governo do Estado, vão perder a vaga de vice e, sem Murilo, a probabilidade é de lançar um representante ao Senado só para “tapar buraco”. 

Na semana passada, as negociações do PMDB com o DEM para definir se o vice-governador vai disputar vaga de senador voltaram à estaca zero. Murilo chegou à conclusão de que a Puccinelli não interessa uma chapa competitiva de senador para não atrapalhar a eleição da “dobradinha” do deputado federal Waldemir Moka (PMDB) com o senador Delcídio do Amaral (PT). Portanto, o atual vice dificilmente vai concorrer ao Senado.

Neste caso, pode deixar a região da Grande Dourados sem representante na chapa majoritária do PMDB porque Puccinelli não cogita a possibilidade de abandonar o projeto de indicar Simone Tebet (PMDB), que já renunciou a Prefeitura de Três Lagoas, para concorrer às eleições como sua vice.
E o fato já gera chiadeira entre os políticos da região. “O PMDB está brincando com a população da Grande Dourados, desprezando a força política do Bloco Democrático Reformista”, opinou o deputado estadual Zé Teixeira (DEM). “A postura de venha nós tudo e vosso reino nada, pode colocar em risco a reeleição do André”, completou.

A indignação pelo fato de a cúpula do PMDB não se esforçar para lançar Murilo ao Senado fez o deputado reavaliar o futuro do BDR. “Se dependesse de mim, já tinha lançado a Marisa (senadora Marisa Serrano) ao Governo do Estado”, disse.
Mas, para o PSDB, a prioridade é garantir o palanque de Puccinelli para o governador de São Paulo, José Serra, na sucessão presidencial. Na eleição nacional, o partido vai ser protagonista na disputa com o PT. Por isso, os tucanos só vão lançar Marisa ao governo, se Puccinelli apoiar a eleição de Dilma Rousseff (PT).

Só para “tapar buraco”
Diante da indefinição de Murilo, ontem o presidente regional do PSDB, deputado Reinaldo Azambuja, admitiu que o BDR tem um plano “B”. Nos bastidores, são cogitados José Carlos Barbosa (DEM), que presidiu a Sanesul e foi prefeito de Angélica, e Carmelindo Rezende (PPS), que já concorreu ao Senado e à Prefeitura de Campo Grande.

“O Barbosa é da região da Grande Dourados, é um homem de credibilidade e já se desincompatibilizou do cargo”, disse Zé Teixeira, evidenciando o interesse de o DEM emplacá-lo para concorrer ao Senado.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Senador Nelson Trad diz que <br> PSD está em falta com o PSDB
ALIANÇA

Senador Nelson Trad diz que
PSD está em falta com o PSDB

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia
MISSÃO

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia

PT escala Pedro Kemp <BR>para tentar se reerguer
ELEIÇÕES 2020

PT escala Pedro Kemp
para tentar se reerguer

MOBILIZAÇÃO

Militantes juntam assinaturas para que organização de Bolsonaro vire partido

Grupo precisa de 500 mil pessoas em todo o país; meta da Capital é mil assinaturas

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião