domingo, 22 de julho de 2018

PRECAUÇÃO

Delegado orienta prefeito de Alcinópolis a deixar a cidade por medida de segurança

29 OUT 2010Por bruno grubertt e Vânya Santos04h:12

Acusado por familiares e após sofrer ameaças em meio a comoção social que sucedeu a morte do vereador Carlos Carneiro, o delegado de Alcinópolis, Camilo Kettenhuber, orientou o prefeito da cidade, Manoel Nunes da Silva (PR), a deixar o município. A autoridade policial desmentiu a informação de que o administrador municipal estaria foragido e explicou que ele apenas se mantém afastado da cidade por medida de segurança, mas que a polícia sabe onde ele está.

“O prefeito me ligou e disse que estava sendo ameaçado então eu o orientei a deixar a cidade, mas me comunicar do seu paradeiro”, disse o delegado. Segundo ele, inicialmente o prefeito ficou em uma propriedade rural a 10 quilômetros do município.

Na quarta-feira, Manoel Nunes seguiu a orientação da polícia e foi até a delegacia para esclarecer as denúncias veiculadas pela imprensa de que seria o mandante do assassinato do presidente da Câmara de Alcinópolis, vereador Carlos. “Ele negou e disse que não teria motivos para fazer isso. O depoimento foi tranquilo. O prefeito veio, inclusive, sem advogado”, afirmou Cavalheiro explicando que as declarações foram encaminhadas, via fax, para a polícia de Campo Grande.

Segundo o delegado, Manoel Nunes, ainda não foi apontado oficialmente como suspeito e por isso não está foragido, mas sim afastado da cidade, exporadicamente o prefeito vai até a delegacia e também visita sua família.

Sigilo
O inquérito sobre o assassinato do vereador Carlos foi colocado em sigilo pela delegada responsável pelas investigações, Roseman Geise Rodrigues de Paula, segundo informou a Polícia Civil. O motivo é não prejudicar os trabalhos. Depois de prender em flagrante o pistoleiro Irineu Maciel, de 37 anos, Aparecido Souza Fernandes, 34 anos, piloto da moto usada pela dupla, e Valdemir Valsan, apontado como intermediador do crime, a polícia busca, agora, um possível mandante. O crime aconteceu na terça-feira (26), em Campo Grande.

Anteontem, a polícia havia informado que a principal linha de investigação seria a motivação política do crime. Ontem, não foram divulgadas informações sobre o andamento das investigações.

O pai do vereador assassinado, Alcino Fernandes Carneiro (PDT), que também é vice-prefeito de Alcinópolis, acredita que o mandante do crime pode ter sido o prefeito. Manoel Nunes, no entanto, negou as acusações e disse ao Correio do Estado que os dois eram adversários políticos, mas não inimigos. O vereador investigava supostas ações irregulares na administração do prefeito.

Crime
Carlos Carneiro foi assassinado na manhã de terça-feira, com três tiros, na Rua Guia Lopes, em Campo Grande, ao lado do Hotel Vale Verde. Aparecido e Irineu foram presos em flagrante acusados de serem os autores do crime. Os dois foram detido pelos investigadores da Delegacia Geral da Polícia Civil (DGPC), Adilson Costa e Eduardo Alen, que passavam pelo local na hora dos disparos. Os autores contaram aos policiais que o crime foi encomendado e que receberiam R$ 20 mil pelo serviço.

Leia Também