Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ALCIDES BERNAL

Delcídio, o maior derrotado com <br> a cassação

Delcídio, o maior derrotado com <br> a cassação
17/03/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


O senador Delcídio do Amaral (PT) foi o maior derrotado com a cassação do mandato do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), pela Câmara Municipal, por inúmeros crimes contra a administração pública, conforme reportagem na edição de hoje (17) do jornal Correio do Estado. As maiores lideranças petistas se empenharam para livrar o prefeito da punição. Delcídio se engajou de “corpo e alma” para suspender o processo no Legislativo. E conseguiu, na guerra de liminares no dia 26 de dezembro de 2012, impedir o julgamento e depois juntamente com os deputados federais Vander Loubet e Antonio Carlos Biffi representaram a desembargadora Tânia Garcia Borges no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por ter reformada a decisão do vice-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS).

Mas não conseguiu barrar a retomada do julgamento, este mês, com a decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, de reconhecer a legitimidade do Poder Legislativo de julgar o prefeito pelos crimes apontados na Comissão Processante, baseados nas investigações feitas pela CPI do Calote. A decisão de Fischer mostrou que a desembargadora Tânia Garcia tinha razão.

O presidente do STJ advertiu sobre o grave dano à ordem pública a ingerência do Judiciário para impedir a Câmara Municipal de julgar o prefeito de Campo Grande. Mesmo assim, Bernal tentou no juízo de primeira instância e no Tribunal de Justiça barrar o julgamento. Desta vez, não conseguiu.

Para o presidente regional do PSD, ex-senador Antonio João Hugo Rodrigues, o PT e o senador Delcídio do Amaral realmente foram os grandes derrotados com a cassação do prefeito Alcides Bernal.

“Se o André (Puccinelli, governador do Estado) teve a vitória, o senador Delcídio teve uma derrota”, analisou Antonio João. “Qual é o reflexo disto? Vai ser um reflexo negativo para o PT!”, observou Antonio João. A reportagem é de Adilson Trindade e Roberta Cáceres.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?