Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Deficiente visual aprovada em concurso acaba desclassificada

9 FEV 10 - 22h:26
Após ser aprovada em concurso público da Prefeitura de Campo Grande para contratação de professores, a pedagoga Telma Nantes de Matos, de 42 anos, que é cega, foi desclassificada da concorrência porque sua deficiência, segundo alegou a Prefeitura de Campo Grande, a tornaria “inapta para exercer o cargo”. O concurso, cujo resultado foi divulgado no último dia 25 de janeiro, previa vagas para contratação de professores e destinava 5% delas para pessoas com deficiências. Porém, segundo constava no edital, o candidato com deficiência deveria passar por avaliação multidisciplinar, que verificaria sua aptidão ao cargo. Para a professora, a medida é discriminatória. “Considerar uma pessoa inapta para o cargo antes da execução do trabalho e do estágio probatório é inconstitucional e discriminatório”, afirmou Telma, que é professora de educação infantil, especialista em metodologia da educação especial e atual diretora do Instituto Sul-Mato-Grossense para Cegos Florisvaldo Vargas (Ismac). Telma foi aprovada por acertar 75% das questões e, agora, reivindica sua contratação. “Já fui classificada e agora quero ser nomeada e quero condições para exercer meu trabalho”, reclamou a professora. Segundo a prefeitura, que se manifestou por meio da assessoria de imprensa, a administração municipal ainda não dispõe de uma sala adaptada onde a professora poderia atuar. A assessoria da prefeitura informou, ainda, que segue uma regulamentação federal que permite a avaliação de uma junta interdisciplinar para verificar a aptidão do candidato ao cargo. Outras duas concorrentes com deficiência também passaram pela avaliação e foram aprovadas. Telma Nantes de Matos já enviou ofício pedindo que a avaliação fosse revisada, porém ainda não recebeu resposta. “A cegueira não me limita a exercer minha profissão. Eu acredito que quando falamos em inclusão e acessibilidade, temos que estar preparados para viver com as diferenças. O poder público não tem nenhuma justificativa para dizer que eu não posso exercer a minha profissão. Para mim, é tudo discriminação”, desabafou Telma.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação
FELIZ ANIVERSÁRIO

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação

Diretor de presídio federal diz que Name não precisa de ajuda
CRIME ORGANIZADO

Diretor de presídio diz que Name não precisa de ajuda

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância
BRASÍLIA

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância

Deputados cobram vistoria <br>contra incêndio em hospitais
RISCOS

Deputados cobram vistoria contra incêndio em hospitais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião