Terça, 12 de Dezembro de 2017

CAMPO GRANDE

Defesa Civil aponta 13 áreas sensíveis
a alagamentos

15 JAN 2014Por DA REDAÇÃO00h:00

Campo Grande tem 13 áreas críticas para ocorrência de enchentes e alagamentos, segundo a Defesa Civil municipal. Um mapeamento do órgão indica que em todas as regiões da cidade há ao menos um local onde o risco de inundações é iminente a cada chuva e todas são próximas a leitos de córregos ou rios. As regiões sul e oeste são as mais afetadas, segundo reportagem na edição de hoje (15) do jornal Correio do Estado.

No lado oeste de Campo Grande, há cinco áreas com risco potencial: Avenida Rádio Maia, na Vila Popular; Avenida Capibaribe, no Sílvia Regina; o Bairro Jardim Imá; o Santo Antônio e o Coophatrabalho. Todas essas localidades são cortadas pelos córregos Imbirussu e Serradinho e já sofreram com problemas decorrentes de fortes chuvas e temporais.

O sul de Campo Grande tem quatro áreas problemáticas: o Bairro Marcos Roberto; o Jockey Clube; o Lago do Amor e a Avenida Guaicurus. Em cada um desses pontos, os estragos aparecem a cada precipitação um pouco mais pesada. A população sofre, já que tem suas casas invadidas pela água. No caso do Lago do Amor e da Avenida Guaicurus, carros já chegaram a ser arrastados.

A região é cortada pelo Rio Anhanduí que, por ser o maior leito d’água de Campo Grande, é o receptor de todas as bacias da cidade. Em períodos de chuva, o rio não suporta o escoamento que recebe de toda a cidade e transborda. Vários trechos do leito, que corta a Avenida Ernesto Geisel (Norte/Sul), estão com erosão que já atingem a pista de rolamento da via. A previsão é de que dentro de uma semana seja publicada a licitação que vai contratar a empresa responsável pela revitalização. A reportagem é de Lucia Morel.

Leia Também