Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Dedicação exclusiva à pesquisa

22 FEV 10 - 03h:25
Quem sai do trabalho de uma biografia e entra em outro é o jornalista e escritor Paulo Renato Coelho Netto, que em breve colocará no mercado o livro “A minha vida até os 40 anos – uma biografia de João Leopoldo Samways Filho”. Foram 15 meses de dedicação exclusiva e, mal colocou ponto final na obra, iniciou a jornada em torno da biografia de Iracy Coelho Netto, seu pai. “Emocionalmente, não está sendo fácil contar a vida dele, que foi promotor, advogado, presidente da OAB em Campo Grande no período do golpe de 1964, e que morreu jovem, aos 52 anos. Fazer uma biografia é quase fazer uma sessão de análise”, analisa. No caso da biografia de Samways Filho, contou com a colaboração da historiadora Lira Dequech, que lhe chamou para o projeto. “Ela cuidou da parte de entrevista. Foram ouvidas cerca de 80 pessoas em várias cidades. Foi um trabalho de equipe e bem profissional, com contrato estipulando todos os detalhes”. O biografado, exproprietário da Faculdade Unaes, tem a trajetória ligada à área educacional. “Não vi muita diferença entre fazer uma biografia e a atuação que sempre tive no jornalismo. Não inventei nada do ponto de vista da estrutura, não sou um romancista. A diferença de uma reportagem convencional é que se tem mais tempo de produzir a biografia, com isso é preciso ter mais fôlego”. O lado jornalista também apareceu no momento de tocar em assuntos mais polêmicos. “Desde o início do projeto achei interessante não canonizar o biografado. Era necessário mostrar acertos e erros”. O livro deverá ser lançado ainda neste semestre. Para Paulo Renato, o segmento de biografias regionais ainda não foi esgotado. “É um campo vasto, um nicho não explorado, mas é preciso ser profissional; pensar que o material terá que ser lido daqui a 50, 100 anos e ainda manter seu valor. A biografia é um documento”. Lucilene destaca que os livros com memórias viraram material para as universidades e começam a ser estudados. “É um diálogo com a academia, que apresenta seus primeiros resultados”, afirma. Outro autor local dedicado às biografias é o professor universitário Marcelo Marinho, que lançou em 2008 “Pouso frio – as mais de 12 vidas de um aviador pioneiro no cerrado brasileiro”, contando a trajetória de Júlio Alves Martins, empresário gaúcho que se fixou em Chapadão do Sul.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Justiça nega pedido para instalação de barreiras contra o óleo no litoral de Sergipe

BRASIL

Palácio tenta 'trégua' com ala bivarista

BRASILEIRÃO 2019

Presidente do Santos quer reunião com Ceará para repudiar atos racistas

Bombeiros encontram corpo de 8ª vítima de desabamento em Fortaleza
BRASIL

Bombeiros encontram corpo de 8ª vítima de desabamento em Fortaleza

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião