Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

De volta ao lar

26 ABR 10 - 21h:57
Mauro Trindade, TV Press

É difícil deixar um grande sucesso para trás. Especialmente se o sucesso tem as dimensões de “Os normais”, que se tornou tão querido na tevê que logo se esparramou na tela mais confortável do cinema. Daí “Separação?!”, a mais nova empreitada dos mesmos responsáveis por “Os normais”, os roteiristas Alexandre Machado e Fernanda Young e o diretor José Alvarenga Júnior. “Os normais” ficou na Globo de 2001 a 2003, foi para o cabo, o DVD e, juntos, os filmes “Os normais” e “Os normais 2 – A noite mais maluca de todas” abiscoitaram mais de 5 milhões de espectadores.

No centro de tudo, estava uma dupla de dois loucos reunida em um casamento heterodoxo. Com “Separação?!”, o tema ganha uma sutil variante: agora é a vez de duas pessoas enlouquecerem pelo casamento. Diretor e roteiristas criaram uma nova comédia de costumes na qual a insanidade das cenas não cabe mais às loucuras pessoais de Vani, de Fernanda Torres, e Rui, de Luiz Fernando Guimarães, os furiosos protagonistas de “Os normais”.

Agora é o próprio relacionamento, desgastado pelo estresse do cotidiano, que tensiona Karin, de Débora Bloch, e Agnaldo, de Vladimir Brichta, a uma troca permanente de ofensas e total incapacidade de compreender a própria situação-limite na qual se encontram. O “non-sense” das cenas é pelo cotidiano caótico das relações humanas. Bloch transforma sua Karin em uma criatura ansiosa por expressar seu ressentimento de forma explosiva. E Brichta dá continuidade – e torna um pouco mais áspero – ao seu motorista de táxi Oswaldir, do bom e prematuramente extinto seriado “Faça a sua história”. É um trapalhão sempre pronto a entrar nas maiores enrascadas.

Igualmente eficientes são as coadjuvantes Rita Êlmor, como a bipolar chefe de corretagem Anete, e Cristina Mutarelli, que vive a sádica e alcoólatra diretora escolar Cinira. Toda a narrativa tem um tom farsesco, muito distante do naturalismo dos folhetins e com um cinismo e verve ácida bem diferente do humor sedado de “S.O.S. emergência” e dos repetitivos bordões de “Zorra total”.
Os satisfatórios índices de audiência, em torno dos 18 pontos, apontam para mais um sucesso. Na era da tevê digital “Full HD” e do televisor com imagem em três dimensões, o centenário teatro burlesco e o “vaudeville” de Feydeau, Bittencourt e cia. vão muito bem, obrigado.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Polícia investiga denúncia de criança estuprada por adolescente em associação de câncer infantil
CAMPO GRANDE

Mãe denuncia que filho foi estuprado por adolescente em instituição contra o câncer

Requalificação da 14 de Julho<br> já tem 85% das obras concluídas
REVIVA CAMPO GRANDE

Requalificação da 14 já tem 85% das obras concluídas

Adélio diz que esfaqueou Bolsonaro "após ouvir voz de Deus"
PRESO EM CAMPO GRANDE

Adélio diz que esfaqueou Bolsonaro "após ouvir Deus"

O primeiro robô brasileiro <br>com Inteligência Artificial, o Tinbot,<br> vêm à Campo Grande
TECNOLOGIA

O primeiro robô brasileiro com Inteligência Artificial, o Tinbot, vêm à Campo Grande

Mais Lidas