Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 23 de outubro de 2018

De olho na reeleição, deputados estudam reduzir as sessões

4 AGO 2010Por 08h:19
lidiane kober

De olho na campanha eleitoral, deputados estaduais estudam fazer esforço concentrado para votar projetos e não atrapalhar o andamento dos trabalhos na Assembleia Legislativa nos dois meses que antecedem o pleito. Uma das ideias é realizar uma sessão por semana, conforme ocorreu em eleições anteriores. No Congresso Nacional, os parlamentares decidiram se reunir três dias em agosto e três em setembro para apreciar as matérias em pauta.
Um dos principais defensores do esforço concentrado é o deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB). Para ele, é hipocrisia dizer que a campanha eleitoral não atrapalha o andamento das atividades no Poder Legislativo. “Isso é só mais um engodo que tentam vender à população”, comentou. “Ainda antes do recesso, a frequência dos parlamentares diminuiu da mesma forma que a apresentação de projetos”, completou.
O deputado avalia que, em uma sessão semanal, seria possível apreciar as matérias importantes para não atrasar a pauta e apresentar novas propostas. “Pelo menos dessa forma, tudo ficaria às claras e ninguém precisaria ficar inventando desculpas para a constante ausência de votações e dos parlamentares em plenário”, disse.
No caso de a proposta do esforço concentrado não vingar, Marquinhos garantiu empenho para marcar presença nas sessões e manter a qualidade de suas atividades parlamentares.
Outro que promete esforçar-se, mas admite que as atenções estão voltadas para a reeleição é o deputado estadual Amarildo Cruz (PT). “Não é fácil tocar uma campanha e manter o trabalho parlamentar a todo vapor”, reconheceu. “Todos os deputados têm base forte no interior e precisam viajar para ouvir os eleitores”, explicou.
Segundo o petista, “acabaram os finais de semana e os feriados” para dar conta do trabalho. Mesmo assim, ele não duvida da queda do desempenho das atividades parlamentares. “Vai ter gente que faltará nas sessões”, opinou.
Da mesma maneira avaliou o deputado estadual Coronel Ivan de Almeida (PRTB). “A campanha vai atrapalhar porque o foco é a reeleição”, engrossou. Mas ele fez questão de não generalizar. “Vai depender de cada parlamentar, porque a ordem é não faltar”, acrescentou.
O deputado estadual Carlos Marun (PMDB) é outro que reconhece que o foco principal é o eleitoral. “Somo seres humanos e vamos trabalhar para ter mais um mandato”, reconheceu. No entanto, ele considera que a campanha não vai prejudicar o desempenho da Assembleia Legislativa.
Da mesma forma, pensam os deputados Pedro Kemp (PT) e Paulo Duarte (PT). “Estão procurando pelo em ovo”, afirmou Kemp. “Não ocorreu a sessão de hoje (ontem)? Então, por que polemizar”, questionou.
Na avaliação de Duarte, é possível conciliar as atividades. “Nos dias de sessão, farei campanha em Campo Grande e, nos demais dias, vou para o interior”, contou.
Por enquanto, a Mesa Diretora da Assembleia mantém o plano de não adotar o esforço concentrado. Porém, caso a proposta ganhe a preferência da maioria, a ideia poderá ser submetida a apreciação e, se os líderes de bancada aprovarem a medida, ela será validada.
Ontem, na primeira sessão depois das férias de julho, nenhum projeto foi aprovado e a sessão durou uma hora.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também