quinta, 19 de julho de 2018

DANÇA

De MS para os palcos da Espanha

8 JAN 2011Por CRISTINA MEDEIROS00h:00

Campo-grandense da gema, há cinco anos a bailarina e bisneta de espanhóis Lucyanna Pettengill decidiu trocar Campo Grande pela maior cidade da Espanha, Madrid. Foram vários anos contribuindo para a evolução da dança em Mato Grosso do Sul – esteve à frente da Coopeativa do Bem e do grupo Street Beat, entre outros trabalhos – mas em 2005 achou que era hora de trocar os palcos madrilenhos. Em visita à família em Campo Grande, por conta das festas de fim de ano, a bailarina falou sobre as recentes conquistas e os novos projetos.
“Quando fui embora, a intenção era me reciclar, ficar um ano fora e voltar. Eu estava há sete anos trabalhando aqui com a Cooperativa do Bem em hospitais, dando aula em três universidades, mas queria mais”, explica Lucyanna, que dirige a Bambúdanza, escola de dança que abriu em Madrid e que em novembro último foi ampliada.

É neste espaço que a bailarina coloca em prática todo o aprendizado acumulado durante anos de estudo na Universidade Pontifícia Católica do Paraná – com Teatro Guaíra – onde se formou em 1993, especializando-se em coreografia pela Universidade Federal da Bahia, e, mais recentemente, o mestrado em Artes Cênicas na Espanha. “Foi justamente por ter passado no mestrado que acabei ficando por lá, e para sobreviver dava aulas de dança em várias escolas até poder montar a minha”.

Mas engana-se quem pensa que Lucyanna tem o universo da dança ligado ao ritmo mais conhecido daquele país, o flamenco. “Eu trabalhei muito com o flamenco em Curitiba, cheguei a fazer aula na Espanha, onde também participei de uma produção artística que coreografei. Mas meu foco enquanto bailarina e professora é outro”.

A Bambúdanza, instalada no coração de Madrid – “perto da Porta do Sol” – é um centro de artes e movimento como ela sempre sonhou: “A escola não promove apenas a dança, mas a arte em geral. Na dança, a base é a afro-contemporânea e a afro-brasileira, próprios de minha raiz que bebe na percussão, que me influenciou muito, e a minha linguagem de corpo, muito particular. As aulas  são frequentadas por pessoas comuns que visam manter o equilíbrio entre mente e corpo”. No espaço ainda são desenvolvidos projetos ligados à divulgação da música brasileira, desenvolvimento artístico infantil e aperfeiçoamento de alunos no quesito coreografia.

Projetos
Para um futuro bem próximo, a intenção é, paralelamente ao ensino, fazer a seleção para a montagem de uma companhia de dança e remontar um espetáculo assinado por ela e já apresentado em 2007, intitulado “Mosaico”. “O roteiro é meu e fala de um menino que vivia no Nordeste brasileiro e sonhava que além daquele lugar havia um mundo de cores. É onde eu coloco o universo rítmico do Brasil”, explica Lucyanna, que elogiou a iniciativa do lançamento do livro “Vozes da dança”, em 2009, na Capital, mas estranhou a não citação de sua contribuição para o Estado: “Tenho consciência da minha contribuição como bailarina, coreógrafa e pedagoga para Mato Grosso do Sul”.

Leia Também