Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Dança e poesia no palco

11 MAR 10 - 07h:58
Laura Virgínia e Cleani Marques, duas bailarinas do Margaridas Grupo de Dança, de Brasília, sobem ao palco do Teatro Aracy Balabanian nesta noite, às 20h30min, para apresentar o espetáculo “Rainha”. Inspirado em poemas e canções de mulheres negras, o trabalho procura discutir questões sociais e políticas sobre a mulher a partir de pontos como a raça, a exclusão e a condição social. “Por falar sobre a mulher negra, ele é um trabalho que fala às mulheres em todas as suas cores”, acredita Laura, intérprete e diretora artística do grupo. O título “Rainha” faz referência ao candomblé, na forma como os fiéis se referem às entidades femininas. “Como este trabalho é de dança contemporânea, não utilizamos tantos elementos das religiões afro-brasileiras. Mas, claro, tivemos influência dessas referências”, argumenta a diretora. Segundo ela, quem for ao teatro vai assistir a um espetáculo forte, cheio de lirismo e poesia. “Esse é o universo feminino, não é?”, indaga. Laura conta que o espetáculo nasceu após a leitura de “O olho mais azul”, da escritora afro-americana Toni Morrison, nobel de literatura em 1993. “Este livro chamou mi n ha atenção e aguçou minha curiosidade sobre a identidade da mulher negra. Percebi que queria levar isso para o palco”, detalha. Ela levou a ideia ao grupo, que logo iniciou a pesquisa sobre o tema. Com um trabalho que procura unir dança contemporânea e literatura, o Margarida Grupo de Dança iniciou uma busca a textos de poetisas negras, publicados em baixas tiragens. “Foi um trabalho difícil, pois há uma dificuldade grande em se encontrar a produção dessas mulheres”, conta a diretora. A pesquisa, que reuniu nomes brasileiros e estadunidenses, foi entregue às mãos de Édi Oliveira, responsável pela criação coreográfica. Na trilha, canções de Nina Simone e cantos do candomblé dão ritmo aos movimentos das intérpretes. Elas também recitam os poemas em meio à dança. Segundo a diretora, o espetáculo tem, aproximadamente, uma hora. Vencedor do prêmio Klauss Viana, da Fundação Nacional de Artes (Funarte), na categoria de circulação, o trabalho percorrerá cidades do Centro- Oeste e de alguns Estados do Nordeste. A iniciativa faz parte de uma parceria entre a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para a Mulher. Oficina Na manhã de sexta, às 10h, no Centro Cultural José Octávio Guizzo, acontece uma oficina gratuita com o Margaridas Grupo de Dança. Segundo Laura Virgínia, diretora artística e intérprete, o grupo abordará questões relacionadas à mescla entre dança e literatura. “Pouca gente sabe, mas os passos de dança foram a maior influência da métrica poética. Vamos tentar mostrar um pouco como funciona essa relação”, explica. A oficina é aberta ao público, independente de estarem ligados a dança ou não. As inscrições podem ser feitas pelo núcleo de dança do setor de Difusão Cultural da FCMS.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CLÁUDIO HUMBERTO

“Justiça não pode criminalizar atividade empresarial”

Confira o seu astral para este sábado
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para este sábado

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial deste sábado/domingo: "A reinvenção da máquina pública"

ARTIGO

Venildo Trevisan: "Alegria"

Frei

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião