Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 15 de fevereiro de 2019 - 23h08min

ECONOMIA

Custo da energia elétrica prejudica investimentos no Brasil

3 ABR 11 - 13h:21

Espremidas pelos elevados custos da energia elétrica no Brasil, as indústrias de alumínio reduziram em 10% a capacidade produtiva no país nos últimos seis anos. “Fábricas de outros setores de uso intensivo de energia também estão fechando as portas”, alertou o coordenador da Comissão de Energia da Associação Brasileira da Indústria de Alumínio (Abal), Eduardo Spalding. Ele participou do seminário Energia Elétrica: Fator de Competitividade da Indústria, realizado nesta quinta-feira, 31 de março, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com a Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace).

De acordo com Spalding, os custos da energia praticamente dobraram nos últimos seis anos e hoje o Brasil tem a terceira tarifa mais cara do mundo. “Isso inibe investimentos e, se nada for feito, nos próximos dez anos haverá um aumento de mais de 20% no custo da energia industrial”, informou. Ele destacou que o custo de produção de uma tonelada de alumínio alcançava US$ 1.069 em 2003, e a conta de energia representava 33% desse total. Em 2008, o custo de produção saltou para US$ 1.991 a tonelada, em que 44% representavam os gastos com energia. “O preço da energia condena de forma inexorável a indústria”, disse Spalding, que também integra o Conselho Temático de Infraestrutura da CNI.

Segundo o presidente da Abrace, Paulo Pedrosa, além de contribuir para o fechamento de empresas no país, os elevados custos da energia elétrica comprometem o emprego e a renda dos brasileiros. Também pressionam a  inflação e prejudicam as exportações. “Todas essas variáveis têm uma correlação muito grande com o preço de energia”, completou Pedrosa.

Para ele, o primeiro passo para a redução da tarifa  é retirar a carga tributária e os encargos, que representam mais de 50% dos valores cobrados dos consumidores de energia.  O presidente da Abrace acrescentou que os custos dos programas sociais não devem ser repassados às contas de luz, mas absorvidos pelo orçamento da União. “Isso seria benéfico para o próprio governo, que poderia aumentar a arrecadação a partir de um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).”

Considerada pela CNI como um dos pilares da competitividade, a desoneração tributária e de encargos das tarifas de energia é a principal proposta do estudo Efeitos do Preço da Energia no Desenvolvimento Econômico – Cenários até 2020, feito pela  Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com a Abrace. De acordo com o coordenador do Projeto Energia Competitiva da FGV, Fernando Garcia, com a desoneração das tarifas, o Brasil pode crescer mais e acrescentar R$ 695 bilhões ao PIB até 2020. “Isso representa economia do tamanho da África do Sul e três vezes a do Chile”, informou Garcia.

Segundo ele, o custo de energia no Brasil cresceu  mais rápido do que no resto do mundo e isso trouxe graves consequências à balança comercial. “De exportador de alguns produtos, como material de construção, passamos a ser importadores, e hoje acumulamos um déficit de US$ 3 bilhões. Para conviver com uma taxa de câmbio valorizada, precisamos tomar outras providências para reduzir os custos e aumentar a competitividade.”

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

TRAGÉDIA

Funcionários da Vale são presos por rompimento de barragem de Brumadinho

BRASIL

União pagou R$ 565 milhões em dívidas atrasadas de estados em janeiro

TRAGÉDIA

Procuradoria defende júri popular para acusados por tragédia em Boate Kiss

TRAGÉDIA

Justiça determina que Vale retire animais das áreas de risco em Barão de Cocais

Mais Lidas